Vocês sabiam que mentir em entrevista de trabalho pode gerar demissão por justa causa? Pois é !

Mentir em uma entrevista de emprego ou no currículo pode gerar demissão por justa causa, mesmo após anos de contratação.


O atual entendimento dos Tribunais Regionais do Trabalho, para casos de mentira em entrevista ou currículo, é de que vale a data em que a empresa descobriu ter sido enganada.

A interpretação é no sentido de que a mentira é considerada como um ato de extrema gravidade e que ela quebra a confiança do empregador para com o empregado, o que baseia a demissão por justa causa.

Vale lembrar que a demissão justa causa é uma penalidade que o empregado sofre por cometer atos previstos no rol do Artigo 482 da CLT e sendo aplicada tal medida, o trabalhador deixa de receber algumas verbas trabalhistas, tais como: décimo terceiro proporcional, aviso prévio, multa de 40% sobre o valor de FGTS, não poderá levantar o valor já depositado de FGTS, e também, perde o direito de saque do Seguro Desemprego.

Ainda, não terá direito ao recebimento de férias proporcionais, só recebe, se houver, férias vencidas.

Não menos importante, cabe destacar que, caso o trabalhador minta apresentando falso certificado, diploma ou relacionados, ele ainda comete crime de Falsificação de documento público, previsto nos artigos 297e 304 do Código Penal.

Assim, concluo que o ato de mentir em entrevista de emprego, pode causar danos inimagináveis, além da esfera trabalhista, acaba atingindo tanto a esfera criminal, quanto a cível, pois a empresa que se sentir lesada, poderá ainda ingressar com pedido de reparação de danos causados a ela contra o empregado mentiroso.


Conteúdo original por Carolina Tomaz CaritáAdvogada formada pela Universidade Municipal São Caetano do Sul – USCS. Devidamente inscrita nos quadros da Ordem dos Advogados do Brasil sob o número 394.257