A crise do novo coronavírus afetou duramente a economia e as formas de organização do trabalho com a maioria dos profissionais de áreas administrativas trabalhado em casa.

Não é de agora que se fala sobre a Quarta Revolução Industrial e suas tendências, mas com a chegada da pandemia as empresas e os profissionais foram submetidos a aceleração desse processo para se adaptar ao “novo normal”. 

Rebeca Toyama especialista em estratégia de carreira, mostra a importância de novas habilidades para acompanhar o ritmo da mudança e como desenvolvê-las.

Segundo o e-book divulgado recentemente pelo Fórum Mundial da Economia em parceria com especialistas, mostram uma nova perspectiva sobre o futuro pós-pandêmico, onde é necessário olhar além da crise atual para os desafios potenciais e oportunidades que o mundo pós COVID-19 traz, além das diversas mudanças e observações como comportamento da sociedade e efeitos psicológicos, qualidade da governança e competências dos líderes, impacto na geopolítica e meio ambiente, sistemas de saúde e o novo tecnológico e industrial.

O distanciamento social modificou as organizações e trouxe uma nova forma de se conduzir o trabalho como o home office, que exige habilidades pessoais e muita organização. Com o passar dos anos, novas habilidades serão inseridas, outras excluídas, assim como algumas profissões que já existiram e hoje estão extintas.

“Nós já sabemos que a tecnologia ganhará um espaço gigante no mercado de trabalho, pois isso já aconteceu em outros momentos da história da humanidade.

O que precisa ser levado em conta hoje, é um conjunto de habilidades como inteligência emocional, adaptação e flexibilidade, pensamento crítico e habilidade com tecnologia, por exemplo.

Além disso, a organização e colaboração, em tempos de home office e distanciamento social são fundamentais para o desenvolvimento do profissional do futuro. ”, afirma, Rebeca Toyama, especialista em estratégia de carreira.

Era da automatização

Para que esse cenário seja positivo, é importante entender as mudanças da Quarta Revolução Industrial, onde a união das tecnologias modificará radicalmente não apenas o modo como se vive, mas a maneira como se trabalha também.

O foco das habilidades estão ligadas nos aspectos que faz superar os robôs, como as relações interpessoais que são praticamente impossíveis de automatizar, criatividade, persuasão e colaboração.

De acordo com o relatório do Fórum Mundial da Economia, as competências e aptidões esperadas pelas novas empresas será habilidades que permitam os colaboradores construírem, projetarem e trabalharem ao lado de sistemas tecnológicos, ou em áreas que preenchem as lacunas deixadas pelas máquinas.

Podendo haver um aumento de demanda por funções que as máquinas não conseguem realizar e que dependem de características profundamente humanas e capacidades como a empatia e a compaixão.

“O que os profissionais devem fazer é se antecipar e se requalificar, adaptar-se às novas funções disponíveis, e resgatar as habilidades que, por enquanto, só os humanos possuem.

Além disso, é importante estar atento aos avanços científicos, tecnológicos e as tendências de mercado para saber como será o futuro. ”, finaliza, Rebeca Toyama.

A especialista em estratégia de carreira, Rebeca Toyama trouxe as 10 habilidades do futuro e dicas de como se qualificar.

1- Inteligência Emocional

Autoconhecimento para controlar os sentimentos, alterações de humor e tudo que envolve o nosso lado psicológico, que as máquinas não têm;

2- Pensamento Crítico

Sempre serão valorizados colaboradores que são capazes de julgar a qualidade das informações;

3-Habilidades em Tecnologia

Esteja atento à novas tecnologias e aplicativos que possam contribuir com o seu trabalho. Adaptá-los à rotina é importante com horário de início e término, check list de atividades, tarefas de médio e longo prazo em planejamentos e foco são fundamentais;

4- Adaptação e Flexibilidade

Tenha em mente que as profissões evoluem e no futuro existirão outras profissões, com outras necessidades;

5- Criatividade

Os algoritmos, as máquinas e os robôs funcionam bem, mas eles não conseguem ser criativos como os humanos. Procure atividades que possam estimular a criatividade, sendo individual ou em grupo;

6- Habilidades de Liderança

Não é só fundamental para aqueles que estão no topo de uma hierarquia corporativa, mas para todos os colaboradores de uma empresa. É compreender como fazer melhor e inspirar a equipe;

7- Julgamento e Tomada de Decisão

As máquinas conseguem analisar os algoritmos em uma velocidade superior que os humanos, mas são incapazes de tomar decisões e analisar os dados com profundidade;

8- Colaboração

Em meio a tanta tecnologia, as organizações vão buscar por funcionários capazes de interagir bem com a equipe, que sejam capazes de compartilhar conhecimento para trazer bons resultados para a empresa;

9- Alfabetização de Dados

É o combustível da quarta revolução industrial, trazer conhecimento para interpretar e analisar dados e gráficos. Conhecer estatística, analisar tendências e números são vitais para o profissional do futuro;

10- Inteligência Cultural e Diversidade

Respeitar as diferenças é uma das habilidades do futuro, pois as organizações são cada vez mais operando além das fronteiras. São comuns projetos desenvolvidos à distância com equipes de vários países. Conduzir novos projetos, criar e cumprir um cronograma e validar ideias para novos produtos e serviços devem ser feitos à distância.

Por Rebeca Toyama é fundadora da RTDHO e ACI empresa com foco em bem-estar e educação corporativa. Especialista em estratégia de carreira e educação organizacional.