Mercado financeiro prevê inflação para 4,21%

0

De acordo com as estimativas dos analistas do mercado financeiro, a inflação para 2020 terá uma elevação pela décima semana seguida, chegando ao patamar de 4,21%, acima da meta central. 

As previsões integram o boletim de mercado, denominado como relatório ‘Focus’, divulgado nesta segunda-feira, 7, pelo Banco Central (BC). 

Os dados foram apurados na última semana através de uma pesquisa que abordou mais de 100 instituições financeiras. 

Conforme o Índice de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) a inflação do país superou a expectativa deste ano que era de 3,54% aumentando para 4,21%. 

Diante dessa alta repentina, pela primeira vez a expectativa da inflação superou a meta central, porém, ainda está de acordo com o intervalo de tolerância existente. 

Segundo a regra vigente, pode ocorrer oscilações no IPCA entre 2,5% a 5,5% neste ano, sem que a meta seja formalmente descumprida, pois, quando isso acontece, o Banco Central precisa fazer um comunicado através de uma carta pública explicando os motivos que levaram a esse acontecimento. 

Vale mencionar que a meta da inflação é estabelecida pelo Conselho Monetário Nacional (CMN) e, para atingi-lo, o Banco Central precisa elevar ou reduzir a taxa básica de juros da economia, a Selic. 

Ao longo deste ano, devido à pandemia da Covid-19 e a recessão na economia brasileira, o mercado diminuiu a estimativa de inflação, porém, nos últimos meses com a alta do dólar e a retomada da economia, os preços voltaram a subir. 

No mês de setembro, a inflação oficial do país teve um avanço de 0,64% a maior alta para o mês desde 2003, já em outubro, o percentual subiu para 0,86%, o maior desde o ano de 2002. 

Para 2021, o mercado financeira baixou de 3,47% para 3,34% a previsão de inflação, e no próximo ano, a meta central de inflação é de 3,75%, a qual será oficialmente cumprida caso o índice oscile de 2,25% a 5,25%. 

Retração da economia 

No que se refere ao comportamento da economia brasileira no decorrer de 2020, é possível notar que os economistas do mercado financeiro reduziram a estimativa de tombo do Produto Interno Bruto (PIB) de 4,50% para 4,40% na última semana, medida vista como a quinta melhora consecutiva no indicador. 

Ressaltando que o PIB consiste na soma de todos os bens e serviços produzidos no país e serve para medir a evolução da economia. 

Somente na última semana, o mercado subiu de 3,45% para 3,50% a estimativa de expansão do PIB para 2021. 

A estimativa para o nível de atividade foi realizado em meio à pandemia do novo coronavírus, o qual tem derrubado a economia mundial e colocado o mundo no caminho de uma recessão. 

Entretanto, nos últimos meses, os indicadores têm apontado uma retomada da economia brasileira, enquanto no mês de novembro, o Governo brasileiro baixou de 4,7% para 4,5% a previsão para a retração do PIB em 2020.

Sendo assim, o Banco Mundial prevê uma queda de 5,4% no PIB brasileiro e o Fundo Monetário Internacional (FMI) estima um tombo de 5,8% em 2020. 

Voltando em 2019, de acordo com os dados do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), o PIB cresceu 1,1%, sendo considerado como o desempenho mais fraco em três anos. 

Após um recuo nos dois primeiros trimestres deste ano, o PIB apresentou uma alta de 7,7% entre os meses de julho e setembro, em comparação com os três meses anteriores. 

O resultado confirmou a saída do país da chamada “recessão técnica”, no entanto, ainda não houve uma recuperação das perdas registradas durante a pandemia. 

Taxa básica de juros

Após a manutenção da taxa básica de juros que se encontrava em 2% ao ano até o fim do mês de outubro, o mercado segue prevendo estabilidade na Selic diante deste mesmo patamar até o fim de 2020. 

Já para o final do próximo ano, a expectativa de mercado permanece sem alterações, perante o percentual de 3% ao ano, ou seja, os analistas seguem estimando alta de juros para 2021. 

Demais estimativas

  • Dólar: a projeção para a taxa de câmbio no fim de 2020 recuou de R$ 5,38 para R$ 5,22. Para o fechamento de 2021, a estimativa caiu de R$ 5,20 para R$ 5,10 por dólar.
  • Balança comercial: para o saldo da balança comercial (resultado do total de exportações menos as importações), a projeção em 2020 subiu de US$ 57,90 bilhões para US$ 58 bilhões de resultado positivo. Para o ano que vem, a estimativa dos especialistas do mercado permaneceu em US$ 56,50 bilhões de superávit.
  • Investimento estrangeiro: a previsão do relatório para a entrada de investimentos estrangeiros diretos no Brasil neste ano caiu de US$ 45 bilhões para US$ 43,15 bilhões. Para 2021, a estimativa ficou estável em US$ 60 bilhões.

Dica Extra: Já imaginou aprender 10 anos de Prática Contábil em poucas semanas?

Conheça um dos programas mais completos do mercado que vai te ensinar tudo que um contador precisa saber no seu dia a dia contábil, como: Rotinas Fiscais, Abertura, Alteração e Encerramento de empresas, tudo sobre Imposto de Renda, MEIs, Simples Nacional, Lucro Presumido, enfim, TUDO que você precisa saber para se tornar um Profissional Contábil Qualificado.

Se você precisa de Prática Contábil, clique aqui e entenda como aprender tudo isso e se tornar um verdadeiro profissional contábil.

Com informações de G1 adaptadas para o Jornal Contábil.