Minha empresa está inativa, preciso cumprir com as obrigações acessórias?

0

Minha empresa é inativa, preciso cumprir com as obrigações acessórias? Quando um cidadão abre uma empresa e logo depois opta por fechar, é necessário passar por vários processos burocráticos e por isso na maioria das vezes, esses empreendedores optam por manter as empresas inativas. 

Na matéria de hoje vamos falar um pouco mais sobre este assunto. Acompanhe 

O que é uma empresa inativa? 

Uma empresa inativa é uma empresa sem movimento, a mesma pratica poucas atividades durante o ano e realiza algumas transações. 

Resumindo, uma empresa inativa não faz nenhum tipo de atividade operacional, não operacional, patrimonial ou financeira. 

Quais são as obrigações de uma empresa inativa? 

A maioria das empresas precisam prestar informações fiscais, previdenciárias e trabalhistas, além de recolher tributos, as obrigações acontecem de acordo com os prazos pré estabelecidos. 

Designed by @wichayada / Freepik
Designed by @wichayada / Freepik

As entregas mensais, não é uma obrigação para as empresas inativas, somente as obrigações anuais.  Veja abaixo as obrigações 

DCTF

Esta precisa ser entregue sob pena de multa RAIS negativa; 

GFIP 

Esta é entregue no mês de janeiro e a outra no mês de Dezembro, não pode ser entregue depois da data, caso aconteça você terá uma multa. 

Obrigações acessórias comuns à qualquer companhia, veja: 

  1. Imposto de renda de pessoa jurídica; 
  2. Escrituração mensal;
  3. SPED;
  4. DCTF. 

Dica Extra: Já imaginou aprender 10 anos de Prática Contábil em poucas semanas?

Conheça um dos programas mais completos do mercado que vai te ensinar tudo que um contador precisa saber no seu dia a dia contábil, como: Rotinas Fiscais, Abertura, Alteração e Encerramento de empresas, tudo sobre Imposto de Renda, MEIs, Simples Nacional, Lucro Presumido, enfim, TUDO que você precisa saber para se tornar um Profissional Contábil Qualificado.

Se você precisa de Prática Contábil, clique aqui e entenda como aprender tudo isso e se tornar um verdadeiro profissional contábil.

Por Laís Oliveira