Ministério de Minas e Energia descarta Horário de Verão após estudos

O Horário de Verão deixou de ser adotado pelo governo em 2019

O Horário de Verão não será aplicado em 2021, isso porque, o Ministério de Minas e Energia (MME) informou nesta sexta-feira (22), que foram realizados novos estudos sobre o Horário de Verão, solicitados pelo ONS (Operador Nacional do Sistema Elétrico). Esses estudos identificaram que não existe benefício para o governo decretar a volta do Horário de Verão, já que não terá nenhum tipo de economia que possa justificar sua volta.

O Horário de Verão deixou de ser adotado pelo governo em 2019. No entanto, a atual crise hídrica começou a gerar comentários sobre a volta do Horário de Verão para economizar energia. Desta forma, o Operador informou que: “A redução observada no horário de maior consumo, ou seja, das 18h às 21h, é compensada pelo aumento da demanda em outros períodos do dia, especialmente no início da manhã”.

Sendo assim, o Ministério de Minas e Energia (MME) concluiu não existir motivo para a aplicação do Horário de Verão, isso porque, não produzirá resultados na redução do consumo nem na demanda máxima de energia elétrica ou na mitigação de riscos de déficit de potência.

Bento Albuquerque, ministro de Minas e Energia, já tinha dito no final de setembro que o governo não pretendia adotar o Horário de Verão nos próximos anos. Ele afirmou que os hábitos no consumo de energia mudou muito, tanto no Brasil quanto no mundo.

Desta forma, ele acredita que não vai gerar economia de energia ao adotar o Horário de Verão.

“Desta forma, considerando análises técnicas devidamente fundamentadas, o MME entende não haver benefício na aplicação do horário de verão e que as medidas tomadas pelo Comitê de Monitoramento do Setor Elétrico (CMSE) e pela Câmara de Regras Excepcionais para Gestão Hidroenergética (CREG) têm se mostrado suficientes para garantir o fornecimento de energia elétrica ao SIN na transição do período seco para o período úmido”.

Comentários estão fechados.