Moderna testa nova versão de sua vacina Covid-19 que não requer armazenamento ultracongelado

0

Como as preocupações com a segurança das vacinas COVID-19 da AstraZeneca e Johnson & Johnson levaram a interrupções nos esforços de vacinação de vários países que dependem dessas vacinas, empresas como a Moderna estão tentando preencher as lacunas resultantes.

A empresa de biotecnologia sediada em Massachusetts anunciou em 29 de abril que está investindo bilhões para aumentar as instalações de fabricação na Suíça, Espanha e EUA, construindo capacidade suficiente para produzir até 3 bilhões de doses de sua vacina baseada em mRNA até 2022.

A tecnologia de vacina da empresa difere da AstraZeneca e da J&J, que usam um adenovírus para mandar genes do vírus COVID-19 ao sistema imunológico, e ambos foram associados a coágulos sanguíneos graves, com risco de vida, embora muito raros.

Stephane Bancel, CEO da Moderna, diz que alguns dos países desenvolvidos e mais ricos estão ansiosos para aumentar seus pedidos de vacinas de mRNA (que incluem a vacina da Moderna e uma produzida pela Pfizer/BioNTech).

“No último mês aproximadamente, nas discussões que tivemos com chefes de estado, primeiros-ministros, presidentes de países e ministros da saúde, quando os governos olharam para eficácia, segurança, escalabilidade de fabricação e a velocidade para a próxima geração de vacinas, o que estamos ouvindo em alto e bom som é que o mRNA é o melhor para o problema em questão”, diz Bancel.

“E os governos em todo o mundo querem cada vez mais produtos de mRNA.”

Para atender a essa necessidade, e às necessidades de instalações em países com menos recursos que não têm os freezers necessários para armazenar a vacina da empresa atualmente, Bancel diz que seus cientistas estão estudando uma nova versão da vacina Moderna que não vai precisar ser congelada e, em vez disso, simplesmente precisaria ser mantida em condições refrigeradas por até três meses.

No momento, ele só pode ser armazenado nessas temperaturas por um mês após as doses serem descongeladas de sua temperatura de armazenamento congelada de cerca de -20 ° C (14 ° F), o que requer equipamento especial que não está amplamente disponível.

Se os estudos mostrarem que a nova vacina pode ser estável e eficaz em temperaturas refrigeradas, isso pode aumentar o número de locais que podem vacinar com a injeção de Moderna.

“Jogamos com algumas decisões tecnológicas importantes e é realmente um produto muito diferente”, diz Bancel sobre a versão refrigerada, que a empresa acaba de começar a testar em pessoas. 

Designed by @pressfoto / Freepik
Designed by @pressfoto / Freepik

Isso significa que os dados de eficácia não estarão disponíveis até o final de agosto, no mínimo; a empresa está trabalhando com a FDA (Administração de Alimentos e Medicamentos) para descobrir como seria o processo de autorização para essa vacina.

Enquanto isso, a empresa também está estudando três novas versões de sua vacina COVID-19 para lidar com as mutações virais.

Uma é projetada especificamente para proteger contra uma variante mais infecciosa do vírus, B.1.351, identificada pela primeira vez na África do Sul.

A vacina atual da Moderna tem demonstrado em estudos conferir proteção suficiente contra essa variante, mas essa proteção é ligeiramente inferior à fornecida contra a cepa viral original, e os pesquisadores da Moderna estão testando se a nova vacina ativa uma resposta imune mais forte contra a variante B.1.351.

Os estudos em animais são promissores e os estudos em humanos apenas começaram, então em meados de setembro, diz Bancel, “esperamos que os dados para a nova vacina em humanos sejam tão fortes quanto os que vimos no ano passado com a vacina atual”.

A equipe da Moderna também está testando se uma terceira injeção de sua vacina atualmente autorizada, em uma dose menor do que a primeira e a segunda, poderia ser eficaz como reforço, para aumentar a proteção contra cepas variantes.

E, por fim, a empresa também está testando uma vacina que combina a vacina original com a nova contra a variante sul-africana.

Olhando para o futuro, alguns especialistas em saúde pública acreditam que o controle do COVID-19 pode exigir vacinações regulares, semelhantes às vacinas contra a gripe, para manter a proteção imunológica.

Antecipando isso, os cientistas da Moderna também estão trabalhando em uma vacina combinada contra a gripe e o COVID-19 que protegeria as pessoas contra as duas doenças respiratórias.

Conteúdo traduzido da fonte Time to Flourish por Wesley Carrijo para o Jornal Contábil