Motivos para entrar no universo das moedas digitais

0

Pagar determinada quantia por um produto é um hábito que existe há muito tempo – e que continuará existindo no futuro.

O que muda é a forma como fazemos isso. Do escambo na Idade Média passamos para dinheiro, cédulas, notas, cheques, cartões e transações virtuais.

Agora estamos diante de uma nova mudança: a entrada das moedas digitais.  

Sim, esses ativos estão cada vez mais presentes nas lojas brasileiras, e os consumidores, antes reticentes, começam a fazer bom uso do modelo. 

Pesquisa da Mastercard indica que 40% dos consumidores desejam utilizar criptomoedas já a partir de 2022 – e 75% usariam se tivessem melhor compreensão sobre elas. 

Os dados mostram que as barreiras em relação a elas estão caindo. 

Para ajudar nessa compreensão, veja cinco motivos para acabar com o receio e entrar de vez nesse universo:  

1 – Popularização em diferentes segmentos 

As moedas digitais e todo o universo cripto ganharam um espaço significativo com a valorização contínua dos principais ativos, como o bitcoin, nos últimos anos. 

Isso fez as empresas passarem a enxergar esse nicho com outros olhos. 

Dessa forma, diferentes segmentos do varejo, de supermercados a drogarias, passando por lojas de departamento e franquias, estão começando a adotar esse meio de pagamento em suas transações, oferecendo uma modalidade rápida, segura e simples para as relações de troca.  

2 – Segurança nas transações  

Quando o assunto é dinheiro, qualquer novidade é acompanhada com ressalvas no início.

Foi assim com os cheques, cartões e, agora, com as moedas digitais. 

Contudo, a preocupação que organizações e usuários tinham em relação a esse universo foi, pouco a pouco, ficando para trás.

Hoje muitos sabem que o blockchain, tecnologia que serve como base para os principais ativos digitais, é um dos elementos mais seguros para transações on-line, permitindo que a informação viaje pela web em blocos criptografados por complexos códigos matemáticos, dificultando a ação de cibercriminosos.  

3 – Transparência das informações  

Outra metamorfose das moedas digitais nos últimos anos está relacionada à transparência das informações.

Se antes elas eram associadas a transações suspeitas, hoje a história é bem diferente – novamente graças à força do blockchain

Photo by @freepik / freepik
Photo by @freepik / freepik

As trocas de informações entre os criptoativos baseados nessa tecnologia são totalmente transparentes. 

Ou seja, é possível rastrear a navegação dos blocos de informações, mas é praticamente impossível modificar o seu conteúdo.

Se a pessoa paga 50 unidades de uma moeda digital em transação, ela pode ficar tranquila que a outra parte irá receber as mesmas 50 unidades.  

4 – Desburocratização nos pagamentos  

O mercado financeiro no Brasil evoluiu muito nos últimos anos, sem dúvida, mas os consumidores ainda precisam lidar com um elemento tipicamente nacional: a burocracia. 

Pagar uma simples transação pode se revelar mais complexo do que realmente é, com idas a bancos, impressão de boletos, etc.

As moedas digitais, em contrapartida, prezam pela descentralização.

Isto é, não passam por órgãos reguladores, o que lhes garante mais agilidade, eficiência e velocidade nas trocas entre os dados. 

Assim mais pessoas conseguem ter acesso fácil a esse tipo de pagamento em relação aos modelos tradicionais, por exemplo.   

5 – Compreensão de tendências 

Não é exagero dizer que a evolução tecnológica remodelou o mundo nas últimas três décadas.

Hoje a velocidade das mudanças é cada vez maior do que era há dois séculos.

Essa nova realidade praticamente obriga as pessoas a acompanharem e compreenderem as tendências que surgem todos os dias.

Caso contrário, elas ficarão perdidas na sociedade.

Uma das principais novidades na “economia do mundo real” é justamente a entrada das moedas digitais nas transações no varejo.

Quanto antes os usuários assimilarem essa mudança de hábito nos pagamentos, mais rapidamente aproveitarão as vantagens que esse modelo tem a oferecer.  

Por: Cássio Rosas, diretor de contas Enterprise & Estratégia da Wiboo, plataforma com utility token que promove um programa de fidelização entre varejistas e consumidores por meio de moedas digitais.