A Medida Provisória 936, foi publicada pelo governo e vai permitir que as empresas reduzam a jornada de trabalho e salários dos funcionários, sem que haja interferência de sindicatos, estabelece que o trabalhador receberá uma renda durante o período do acordo. A ideia é combater os impactos causados pelo coronavírus. Sendo que a suspensão poderá ser feita por acordo individual com empregados que recebem até R$ 3.135,00 ou de dois tetos do INSS para quem tem curso superior:  R$ 12.202,12. Sem essas condições, será necessário acordo coletivo.

A empresa poderá por vontade própria conceder ao funcionário ajuda compensatória caso haja redução salarial ou suspensão de contrato. Vai ser de caráter obrigatório o pagamento para empresas com faturamento superior a R$ 4,8 milhões anuais e que tenha feito opção pela suspensão de contrato, com pelo menos uma ajuda compensatória de 30% do salário.

Todos terão direito

Bruno Bianco, secretário especial de Previdência e Trabalho, afirmou que o programa inclui todos os trabalhadores brasileiros, incluindo os empregados domésticos com carteira assinada.

Continuarão tendo direito ao seguro-desemprego

Segundo o governo, ninguém receberá menos que um salário mínimo e também que os que receberem este auxílio do governo não irão perder o direito do valor integral do auxílio-desemprego em caso de demissão.

Compensação que será paga pelo governo

Será feito um cálculo baseado no seguro-desemprego para que o governo pague o benefício ao trabalhador, que teria esse direito se fosse demitido.

Para que aconteça a redução da jornada de trabalho e salário, poderá ocorrer uma dessas situações:

Se acontecer da empresa e o trabalhador optarem por um corte menor que 25%, o empregado não poderá receber nenhum benefício emergencial pago pelo governo

No caso de reduções iguais ou superior a 25% e menor que 50%, sendo assim, o pagamento do governo irá corresponder a 25% do que o trabalhador poderia ter direito caso fosse demitido

Nas reduções iguais ou maiores que 50% e menor que 70% o complemento do pagamento será de 50% equivalente ao seguro-desemprego

Já para reduções iguais ou superior a 70%, o benefício vai ser de 70% ao equivalente do seguro-desemprego

Em caso de suspensão  do contrato, vai acontecer duas possibilidades, no que vai depender do faturamento da empresa, veja:

1- Empresas inscritas no Simples Nacional que tenha receita bruta até R$ 4,8 milhões -- o governo pagará aos empregados 100% do benefício com cálculo baseado no seguro-desemprego a que o funcionário teria direito se fosse demitido

2- Já empresas nos regimes de lucro real e lucro presumido, onde a receita bruta é acima de R$ 4,8 milhões, a empresa terá que arcar com 30% do salário do funcionário e o governo pagará 70% da parcela que vai ser equivalente ao seguro-desemprego.

O governo anunciou o Programa Emergencial na noite de quarta-feira, 1 de abril, através da equipe econômica. O impacto fiscal será de R$ 51,2 bilhões. Impedindo que 12 milhões de brasileiros perdessem seus empregos.

DICA EXTRA  DO JORNAL CONTÁBIL : MEI saiba tudo o que é preciso para gerenciar seu próprio negócio.  Se você buscar iniciar como MEI de maneira correta, estar legalizado e em dia com o governo, além de fazer tudo o que é necessário para o desenvolvimento da sua empresa, nós podemos ajudar. Já imaginou economizar de R$ 50 a R$ 300 todos os meses com contador e ainda ter a certeza que está fazendo suas declarações e obrigações de forma correta. E o melhor é que você pode aprender tudo isso em apenas um final de semana. Uma alternativa rápida e eficaz é o curso MEI na prática. Trata-se de um curso rápido, porém completo e detalhado com tudo que um MEI precisa saber para ser autônomo e nunca mais passar por dificuldades ao gerir o seu negócio. Quer saber mais? Clique aqui e mantenha sua empresa MEI em dia!