13°C 26°C
Uberlândia, MG
Publicidade

Ministra das Mulheres defende que aborto é uma questão de saúde pública

Ministra das Mulheres defende que aborto é uma questão de saúde pública

06/01/2023 às 14h10 Atualizada em 06/01/2023 às 17h10
Por: Esther Vasconcelos
Compartilhe:
Foto: Marcelo Camargo / Agência Brasil
Foto: Marcelo Camargo / Agência Brasil

A ministra das Mulheres, Aparecida Gonçalves, tomou posse do cargo em cerimônia no início da tarde desta terça-feira (3). Um dos pontos que mais chamou atenção em seu discurso e gerou grande repercussão, foi a fala da ministra sobre aborto.

A ministra afirmou, que o ministério será o "ministério de todas as mulheres". Ele frisou que não esquecerá de nenhuma mulher inclusive daquelas que "não votaram conosco".

Ela citou toas as mulheres da sociedade, negras, brancas, indígenas, LBTQIA+, das fazendas, das cidades e das águas.

Leia Também: Direitos Humanos: Silvio Almeida toma posse e faz discurso histórico

Aborto

A ministra afirmou que o “aborto é uma questão de saúde pública”, em uma entrevista ao jornal Folha de São Paulo, Cida falou sobre a possível legalização do aborto.

Ela afirma que fará o possível para avançar com relação a este assunto, ela também salientou que é preciso ter o apoio do presidente Lula para levar o tema em discussão no Congresso.

Cida afirmou que trabalhará para que as mulheres não percam direitos, incluindo a questão do aborto, ela ressalta que como está este assunto hoje no Congresso e no senado estas discussões não avançaram.

Leia Também: Quem são os ministros do governo Bolsonaro que foram oficialmente exonerados?

Ligue 180

Cida também falou sobre o fortalecimento do ligue 180, ela destacou que as ações do Ministério das Mulheres serão baseadas na transversalidade entre os ministérios.

A ministra também afirma que recuperará o Ligue 180, este é um serviço de utilidade pública para ajudar no enfrentamento da violência contra a mulher.

Ela ainda ressaltou que a Secretaria Nacional de Enfrentamento à Violência terá como principal objetivo retomar alguns projetos, como a Casa da Mulher Brasileira e o Programa Mulher, Viver sem Violência.

A inserção das mulheres no mercado de trabalho também é um dos objetivos, a Secretaria Nacional de Autonomia e Cuidados será responsável no combate do assédio moral e a também por equiparar os salários entre gêneros.

A Secretaria de Articulação Institucional e Participação Política também irá trabalhar na ampliação da capacitação de ações do governo em políticas públicas para as mulheres.

Gonçalves também destacou que lutará para que a violência contra mulher e feminicídios no Brasil diminuam. Ela também citou que é preciso acabar com a sensação de impunidade no país, somente assim teremos avanço no combate aos homicídios cometidos pela questão de gênero.

* O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos ao direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou que contenham palavras ofensivas.
500 caracteres restantes.
Comentar
Mostrar mais comentários
Uberlândia, MG
14°
Tempo limpo

Mín. 13° Máx. 26°

13° Sensação
3.6km/h Vento
72% Umidade
0% (0mm) Chance de chuva
06h46 Nascer do sol
05h51 Pôr do sol
Seg 28° 15°
Ter 28° 15°
Qua 29° 15°
Qui 30° 16°
Sex 31° 17°
Atualizado às 08h05
Publicidade
Publicidade
Economia
Dólar
R$ 5,43 +0,00%
Euro
R$ 5,93 +0,00%
Peso Argentino
R$ 0,01 +0,05%
Bitcoin
R$ 343,306,94 +3,57%
Ibovespa
128,896,98 pts 0.47%
Publicidade
Publicidade