14°C 28°C
Uberlândia, MG
Publicidade

Como é o cálculo da aposentadoria de quem exerce atividade concomitante?

Como é o cálculo da aposentadoria de quem exerce atividade concomitante?

08/05/2023 às 13h38 Atualizada em 08/05/2023 às 16h38
Por: Ana Luzia Rodrigues
Compartilhe:
Foto: Reprodução
Foto: Reprodução

Muitas pessoas possuem mais de um emprego e acabam contribuindo para o INSS nas duas atividades desenvolvidas. Essa situação acaba gerando muitas dúvidas sobre como funcionará o cálculo de aposentadoria. Para isso, é necessário entender melhor sobre a atividade concomitante e como ela é vista pelo INSS e órgãos da justiça.

Se você tem ou já teve dois empregos e deseja ter uma aposentadoria de qualidade, então a leitura deste conteúdo é fundamental.

Exercer duas atividades ao mesmo tempo chama-se atividades concomitantes. .

Leia também: Trabalhador CLT E MEI Ao Mesmo Tempo: Quais As Obrigações E Benefícios

Como é o cálculo do benefício para aposentadoria?

É bom saber primeiramente que o cálculo do benefício da aposentadoria limita-se pelo teto para atividades exercidas na iniciativa privada, recentemente corrigido para R$7.507,49.

O INSS não considera a soma integral dos salários no momento do cálculo, o órgão divide as duas atividades desempenhadas em duas categorias:

  • primária ou principal: serviço que o trabalhador acumulou mais tempo de contribuição. Nesse caso, há a utilização dos pagamentos ao INSS integralmente no cálculo da aposentadoria;
  • secundária: é a atividade que exerceu por tempo menor. Aqui considera-se somente um percentual dos recolhimentos ao INSS.

Vamos dar um exemplo:

Um cidadão trabalhou por 35 anos em um emprego com média salarial de R$ 2 mil. Ele também tinha outro emprego concomitante que também recebia R$ 2 mil, mas o exerceu apenas por 15 anos. Para saber qual será o impacto da atividade secundária, deve-se fazer o seguinte cálculo:

Vamos então dividir o tempo da atividade secundária pelo tempo da atividade principal:  15 dividido por 35 = 0,4285. Agora multiplica-se esse valor pelo salário. Teremos:

0,4285 X 2.000 = R$ 857,14

Esses R$ 857,17 somam-se aos R$ 2.000 da atividade principal (totalizando R$ 2.857,17) para que o INSS calcule a aposentadoria.

Entretanto, houve mudanças  com a publicação da  Lei n.º 13.846/19. As novas regras afirmam que os rendimentos somam-se até atingir o teto da previdência que agora é de R$ 7.507,49.

Vamos considerar o mesmo exemplo anterior do trabalhador que exercia duas atividades e recebia R$ 2 mil em cada uma delas. A nova norma diz que os rendimentos são somados, fazendo com que R$ 4 mil sejam usados pelo INSS para chegar à aposentadoria. Além de facilitar o cálculo, os segurados que exercem mais de uma atividade remunerada também foram beneficiados.

Foto: Tony Winston/Agência Brasília - Fonte: Agência Senado
Foto: Tony Winston/Agência Brasília - Fonte: Agência Senado

O MEI e a Reforma da Previdência

Com a aprovação da Reforma da Previdência, houve mudanças nas regras de aposentadoria para quem é Microempreendedor Individual (MEI). Agora, a aposentadoria para o MEI é apenas por idade. Portanto, não há mais a possibilidade de parar por tempo de contribuição.

A idade de aposentadoria para as mulheres é de 62 anos. Já os homens continuam se aposentando com 65 anos de idade. Concede-se o benefício de um salário mínimo na aposentadoria desde que se tenha contribuído por 20 anos.

O valor poderá ser superior ao mínimo no caso do MEI exercer outra atividade como autônomo, por exemplo. Nessa situação, deverão ocorrer duas contribuições: uma como MEI e outra como profissional autônomo.

Em caso de acidente que impossibilite a atividade laboral, o MEI também poderá solicitar a aposentadoria.

Leia também: INSS: Existe A Possibilidade De Contribuir Como CLT E MEI Ao Mesmo…

Qual o valor da aposentadoria para o MEI?

Todo o benefício previsto para o microempreendedor corresponderá sempre ao valor de um salário mínimo, que atualmente é de R$1.320. Todavia, esse valor poderá ser maior caso o MEI exerça outra atividade em paralelo e contribua com a Previdência Social em ambas.

Se pretende ter uma aposentadoria superior ao salário mínimo, o MEI poderá optar por complementar o recolhimento previdenciário com mais 15%. Nesse caso, continuará pagando os 5% de praxe via DAS (Documento de Arrecadação do Simples) sobre o salário mínimo. Para recolher o INSS complementar, o MEI deve emitir a Guia da Previdência Social (GPS) sob o código 1910.

É sempre bom consultar a ajuda de advogado especialista em Direito Previdenciário que poderá dar uma melhor orientação para cada caso.

* O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos ao direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou que contenham palavras ofensivas.
500 caracteres restantes.
Comentar
Mostrar mais comentários
Uberlândia, MG
27°
Tempo limpo

Mín. 14° Máx. 28°

26° Sensação
4.12km/h Vento
24% Umidade
0% (0mm) Chance de chuva
06h44 Nascer do sol
05h54 Pôr do sol
Qua 29° 14°
Qui 30° 15°
Sex 30° 15°
Sáb 30° 16°
Dom 31° 17°
Atualizado às 17h07
Publicidade
Publicidade
Economia
Dólar
R$ 5,59 +0,22%
Euro
R$ 6,06 -0,10%
Peso Argentino
R$ 0,01 +0,56%
Bitcoin
R$ 390,713,03 -2,61%
Ibovespa
126,589,84 pts -0.99%
Publicidade
Publicidade