14°C 28°C
Uberlândia, MG
Publicidade

Imposto no Brasil: As profissões que mais e menos pagam impostos

Imposto no Brasil: As profissões que mais e menos pagam impostos

21/09/2023 às 18h54 Atualizada em 21/09/2023 às 21h54
Por: Bia Montes
Compartilhe:
Imagem: freepik
Imagem: freepik

Alguns profissionais que ganham até R$ 8 mil pagam uma porcentagem maior de impostos do que os milionários do país. Essa discrepância ocorre porque uma parcela significativa da renda desses profissionais vem do lucro e dos dividendos de suas empresas.

Enquanto isso, aqueles que ganham acima de R$ 176 mil por mês pagam menos de 5,5% de impostos.

A distribuição desigual da carga tributária

Profissões como professores de ensino fundamental, enfermeiros, bancários, assistentes sociais e policiais militares pagam uma alíquota efetiva de Imposto de Renda (IR) de até 8%.

Por outro lado, profissionais que recebem altos salários, acima de R$ 176 mil por mês, pagam menos de 5,5% de impostos.

Essa diferença é resultado das alíquotas progressivas do IR, que aumentam conforme a renda.

O salário da classe média é tributado na fonte, com alíquotas progressivas que podem chegar a 27,5%.

Isso significa que os contribuintes que pagam porcentagens mais altas, acima de 10%, são aqueles que recebem entre 10 e 40 salários mínimos.

Leia também: A Nova Aposta De Lula: Tributar Os ‘Superricos’

Ranking das profissões que pagam mais e menos impostos

O levantamento foi realizado com base nos dados do Imposto de Renda Pessoa Física de 2022, considerando a alíquota efetiva.

O ranking revela as profissões que pagam mais e menos impostos no Brasil.

Confira abaixo algumas das profissões listadas:

Profissões que pagam mais impostos:

  • Atletas, desportistas, etc: 16,15%.
  • Advogados do setor público, procuradores, fazenda, etc: 15,66%.
  • Servidores das carreiras de auditoria fiscal e de fiscalização: 14,73%.
  • Pilotos de aeronaves, comandantes de embarcações, oficiais de máquinas: 14,52%.
  • Servidores das carreiras do Banco Central, CVM e Susep: 14,48%.

Profissões que pagam menos impostos:

  • Motoristas e condutores do transporte de passageiros: 2,46%.
  • Trabalhadores dos serviços de embelezamento e cuidados pessoais: 2,08%.
  • Trabalhadores dos serviços domésticos em geral: 3,18%.
  • Trabalhadores dos serviços de hotelaria e alimentação: 3,78%.
  • Trabalhadores das indústrias de madeira e do mobiliário: 4,03%.

A importância da equidade no sistema tributário

A discrepância na tributação entre diferentes profissões levanta questões sobre a equidade no sistema tributário brasileiro.

A carga tributária regressiva afeta especialmente os profissionais de menor renda, que pagam uma porcentagem maior de seus rendimentos em impostos.

Isso pode dificultar a ascensão social e a mobilidade econômica desses trabalhadores.

Para promover uma tributação mais justa, é necessário repensar as alíquotas e buscar uma distribuição mais equitativa da carga tributária.

Além disso, é importante considerar medidas que incentivem a formalização do trabalho e combatam a sonegação fiscal, para aumentar a arrecadação de impostos de maneira mais igualitária.

A distribuição desigual da carga tributária entre diferentes profissões no Brasil é um desafio a ser enfrentado.

Profissionais de menor renda, como professores e enfermeiros, pagam uma porcentagem maior de impostos do que aqueles que recebem salários mais altos.

Essa disparidade ressalta a necessidade de uma reforma tributária que promova uma distribuição mais justa da carga tributária e incentive a ascensão social dos trabalhadores de menor renda.

É fundamental buscar um sistema tributário equitativo, que não sobrecarregue os profissionais de menor renda e promova a justiça fiscal.

A equidade na tributação é um elemento essencial para a construção de uma sociedade mais justa e igualitária.

Leia também: Faixa De Isenção Do Imposto De Renda Sofre Alterações! O Que Muda?

Lucros e Dividendos Isentos de Impostos

Uma das principais razões para as disparidades na carga tributária entre as profissões é a isenção de impostos sobre lucros e dividendos.

Enquanto os mais ricos muitas vezes recebem uma parte significativa de sua renda por meio desses mecanismos, profissões como professores, enfermeiros e policiais não possuem essa vantagem.

 De acordo com um estudo realizado pelo Sindicato Nacional dos Auditores-Fiscais da Receita Federal (Sindifisco Nacional), profissionais com ganhos totais acima de 320 salários mínimos pagam, em média, uma alíquota efetiva de imposto de renda de 5,43%, enquanto categorias como servidores públicos, enfermeiros e policiais militares pagam alíquotas mais altas, variando de 8,77% a 9,54%.

Essa diferença ocorre porque, no Brasil, a tributação recai principalmente sobre a pessoa jurídica, concentrando-se na pessoa física apenas quando há distribuição de lucros e dividendos.

Em comparação com outros países da Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE), onde lucros e dividendos são tributados, a carga tributária é mais equilibrada entre a empresa e as acionistas pessoas físicas.

No Brasil, no entanto, a isenção de impostos sobre lucros e dividendos acaba beneficiando os mais ricos e aumentando a carga tributária sobre as categorias profissionais mencionadas.

* O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos ao direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou que contenham palavras ofensivas.
500 caracteres restantes.
Comentar
Mostrar mais comentários
Uberlândia, MG
25°
Tempo limpo

Mín. 14° Máx. 28°

24° Sensação
3.99km/h Vento
22% Umidade
0% (0mm) Chance de chuva
06h43 Nascer do sol
05h55 Pôr do sol
Sex 29° 15°
Sáb 30° 15°
Dom 31° 17°
Seg 32° 18°
Ter 32° 19°
Atualizado às 11h06
Publicidade
Publicidade
Economia
Dólar
R$ 5,64 -0,29%
Euro
R$ 6,12 -0,17%
Peso Argentino
R$ 0,01 -0,39%
Bitcoin
R$ 386,636,88 -1,70%
Ibovespa
125,751,02 pts -0.53%
Publicidade
Publicidade