14°C 28°C
Uberlândia, MG
Publicidade

STF: Empresa não precisa equiparar salários de funcionários e terceirizados

STF: Empresa não precisa equiparar salários de funcionários e terceirizados

13/11/2023 às 09h50 Atualizada em 13/11/2023 às 12h50
Por: Ana Luzia Rodrigues
Compartilhe:
Imagem por @freedomz / freepik
Imagem por @freedomz / freepik

O Supremo Tribunal Federal (STF) manteve o entendimento de que não existe a obrigação de equiparar os salários de trabalhadores terceirizados aos dos empregados com contratos diretos pelo empregador. Seja empresa pública ou não. 

A tomada de decisão ocorreu na última quinta-feira, dia 9, no julgamento de um recurso. A decisão tem repercussão geral, e vai orientar a análise de casos semelhantes em instâncias inferiores.

Em setembro de 2020, o Plenário havia fixado a tese de que a equiparação fere o princípio da livre iniciativa, por se tratar de agentes econômicos distintos, que não podem estar sujeitos a decisões empresariais que não são suas.

Nos embargos, o Sindicato dos Trabalhadores na Indústria de Energia Elétrica de Campinas e a Procuradoria-Geral da República (PGR) pediam esclarecimentos sobre a tese. 

Eles questionavam se a decisão precisa de aplicação a contratos de terceirização anteriores a ela, se é possível equiparar salários quando se verifica fraude trabalhista e se a decisão se aplica apenas a empresas que fazem parte do governo, pois o caso se referia à Caixa Econômica Federal.

Leia também: Veja Quando Contratar Uma Terceirização Financeira

Livre decisão empresarial

A maioria do Plenário acompanhou o voto do ministro Luís Roberto Barroso no sentido de que não houve mudança de entendimento da Corte sobre a matéria e, portanto, não há justificativa para acolher o pedido. Segundo ele, desde 2018 o STF entende que a terceirização é decisão empresarial legítima. O que afasta a interferência do Poder Judiciário na definição da remuneração dos trabalhadores terceirizados.

Com relação a esse ponto, o ministro explicou que a decisão questionada não tratou de fraude na terceirização.

Por fim, ele também avaliou que a decisão abrange todas as empresas. Sejam estatais ou privadas, uma vez que as estatais têm regime jurídico de direito privado.

Leia também:

Divergências

Abriu divergência parcial o ministro Edson Fachin, que considerava necessário delimitar a tese às entidades da administração pública indireta. Também divergiu o ministro Luiz Fux, que votou pela restrição da tese aos processos em curso em 30/8/2018, data de publicação da ata do julgamento.

* O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos ao direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou que contenham palavras ofensivas.
500 caracteres restantes.
Comentar
Mostrar mais comentários
Uberlândia, MG
26°
Tempo limpo

Mín. 14° Máx. 28°

25° Sensação
5.14km/h Vento
27% Umidade
0% (0mm) Chance de chuva
06h44 Nascer do sol
05h54 Pôr do sol
Qua 29° 14°
Qui 30° 15°
Sex 30° 15°
Sáb 30° 16°
Dom 31° 17°
Atualizado às 14h07
Publicidade
Publicidade
Economia
Dólar
R$ 5,60 +0,37%
Euro
R$ 6,07 -0,01%
Peso Argentino
R$ 0,01 +0,67%
Bitcoin
R$ 390,741,60 -2,74%
Ibovespa
126,660,21 pts -0.94%
Publicidade
Publicidade