13°C 28°C
Uberlândia, MG
Publicidade

ICMS: TJGO reconhece ilegalidade de cobrança do Difal até dezembro de 2023

Ao analisar o recurso, a magistrada citou justamente o Tema nº 1.284 da repercussão geral do STF, emergido de julgados do próprio Estado de Goiás

07/06/2024 às 08h07
Por: Ricardo de Freitas Fonte: redação
Compartilhe:
ICMS: TJGO reconhece ilegalidade de cobrança do Difal até dezembro de 2023
ICMS: TJGO reconhece ilegalidade de cobrança do Difal até dezembro de 2023
A desembargadora Beatriz Figueiredo Franco, do Tribunal de Justiça de Goiás (TJGO), reformou, nesta semana, uma sentença para declarar a ilegalidade de cobrança do Diferencial de Alíquota do ICMS (Difal) feita a uma empresa optante do Simples Nacional, antes de 1º março deste ano – data em que entrou em vigor a Lei Estadual nº 22.424/2023. Como consequência, reconheceu o direito abstrato à compensação tributária.
 
A magistrada acolheu em parte apelação cível feita pelos advogados Diêgo Vilela e Vitor Santos, que representam a empresa na ação. O argumento apresentado foi o de que a exigência do pagamento do ICMS/Difal do Simples Nacional, na aquisição interestadual de mercadoria destinada à comercialização ou produção rural, foi estabelecida em Goiás pelo Decreto nº 9.104/2017.
 
Contudo, ressaltou o advogado Diêgo Vilela, a constitucionalidade da referida cobrança deve ser amparada em lei estadual em sentido estrito, conforme entendimento do Supremo Tribunal Federal (STF) - Tema nº 1.284 da repercussão geral. Citou, ainda, os princípios da anterioridade anual (ou de exercício) e nonagesimal a postergar a vigência do novo diploma normativo.
 

Lei estadual em sentido estrito

Ao analisar o recurso, a magistrada citou justamente o Tema nº 1.284 da repercussão geral do STF, emergido de julgados do próprio Estado de Goiás. Na ocasião, foi estabelecido que a cobrança do ICMS-Difal de empresas optantes do Simples Nacional deve ter fundamento em lei estadual em sentido estrito.
 
Concluiu que, sem a lei estadual em sentido estrito, não houve exercida a competência tributária ancorada no artigo 13 da Lei complementar nº 123/2006. Sendo meramente secundário e, portanto, inservível à perspectiva fiscal, o Decreto Estadual 9.104/2017.
 
A magistrada ressaltou que somente em 1º de dezembro de 2023 o Estado de Goiás editou a Lei estadual nº 22.424/2023, que altera o Código Tributário do Estado (CTE) para o exercício da competência tributária. Contemplando a exigência do Difal pelos contribuintes optantes do Simples Nacional, inclusive MEI, nos termos da Lei Complementar federal nº 123/2006.
 
“De rigor reconhecer que a exigibilidade do ICMS-Difal das empresas optantes do simples nacional, a exemplo da impetrante, na forma operada pelo Estado de Goiás, tem lugar apenas depois de 01/03/2024, data do início da vigência da Lei estadual nº 22.424/2023”, completou a desembargadora.

* O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos ao direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou que contenham palavras ofensivas.
500 caracteres restantes.
Comentar
Mostrar mais comentários
Uberlândia, MG
15°
Tempo limpo

Mín. 13° Máx. 28°

14° Sensação
3.6km/h Vento
51% Umidade
0% (0mm) Chance de chuva
06h43 Nascer do sol
05h54 Pôr do sol
Qui 28° 14°
Sex 29° 15°
Sáb 30° 16°
Dom 31° 17°
Seg 32° 18°
Atualizado às 08h06
Publicidade
Publicidade
Economia
Dólar
R$ 5,59 -0,03%
Euro
R$ 6,06 -0,08%
Peso Argentino
R$ 0,01 +0,56%
Bitcoin
R$ 393,423,81 +0,63%
Ibovespa
126,589,84 pts -0.99%
Publicidade
Publicidade