Nova oportunidade para enviar EFD-Reinf e DCTFWeb sem multa, confira

A instabilidade no acesso ao e-CAC (Centro Virtual de Atendimento ao Contribuinte) na última terça-feira, 15, acabou dificultando a transmissão mensal da EFD-Reinf e DCTFWeb. 

A situação poderia prejudicar muitas empresas, assim como falamos em matéria anterior, visto que era o último para a entrega destas obrigações acessórias.

No entanto, a Receita Federal confirmou que foram identificadas situações de lentidão no acesso dos contribuintes, por isso, decidiu prorrogar o prazo final destas obrigações. Continue conosco para ver quando enviar estas obrigações sem prejuízos.

Novo prazo

A prorrogação estabelecida pela Portaria RFB nº 43, de 16 de junho de 2021, autoriza que a Escrituração Fiscal Digital de Retenções e Outras Informações Fiscais (EFD-Reinf), assim como a Débitos e Créditos Tributários Federais Previdenciários e de Outras Entidades e Fundos (DCTFWeb), sejam enviadas até amanhã, dia 18 de junho. 

Mas vale lembrar que a prorrogação aplica-se, apenas, ao período de apuração relativo à maio de 2021. Então quem cumprir esse prazo não pagará multas ou outros encargos relativos à entrega em atraso.

Transmissão

Tanto a EFD-Reinf, quanto a DCTFWeb são transmitidas à Receita Federal por meio do e-CAC. Assim, veja como enviar as informações:

Para transmitir a EFD-Reinf:

  • acesse o e-CAC;
  • clique em “Declarações e Demonstrativos”;
  • escolha a opção “SPED – Sistema Público de Escrituração Digital”;
  • clique em “Acessar EFD-Reinf”.
Designed by Jitendra Kumar Chauhan / shutterstock
Designed by Jitendra Kumar Chauhan / shutterstock

Para transmitir a DCTFWeb:

  • acesse o e-CAC;
  • preencha as informações que integram a declaração;
  • faça a transmissão; 
  • imprima o DARF (Documento de Arrecadação das Receitas Federais);


Quem precisa enviar?

Mensalmente, as empresas devem cumprir com obrigações para se manterem regulares diante da Receita Federal.

Portanto, saiba que a EFD-Reinf é utilizada pelas pessoas jurídicas e físicas para escriturar os rendimentos pagos e retenções de Imposto de Renda, Contribuição Social do contribuinte, exceto aquelas relacionadas ao trabalho e informações sobre a receita bruta para a apuração das contribuições previdenciárias substituídas. 

Conforme a Instrução Normativa 1.701/ 2017 estão obrigadas a EFD-Reinf todas as empresas pessoas jurídicas, inclusive as imunes e isentas, que prestam e contratam serviços realizados mediante cessão de mão de obra e que forem responsáveis pela retenção dos impostos (IR, CSLL, COFINS, PIS/PASEP e INSS).

Além disso, as empresas com faturamento anual abaixo dos R$ 78 milhões em 2016 e que não sejam optantes do chamado Simples Nacional, também estão incluídas.

Por sua vez, a Declaração de Débitos e Créditos Tributários Federais Previdenciários e de Outras Entidades e Fundos, reúne informações que auxiliam a Receita Federal no acompanhamento das contribuições previdenciárias feitas a terceiros, além de facilitar o acesso às informações do eSocial e na EFD-Reinf em um só local. 

Segundo as atualizações feitas pela instrução normativa nº R2005, para 2021,  estão obrigadas à apresentar a DCTFWeb:

  • as pessoas jurídicas de direito privado em geral e as equiparadas a empresa;
  • as unidades gestoras de orçamento a que se refere o inciso II da instrução normativa;
  • os consórcios de que tratam os arts. 278 e 279 da Lei nº 6.404, quando realizarem, em nome próprio:

a) a contratação de trabalhador segurado do Regime Geral de Previdência Social (RGPS);

b) a aquisição de produção rural de produtor rural pessoa física;

c) o patrocínio de equipe de futebol profissional; ou

d) a contratação de empresa para prestação de serviço sujeito à retenção de que trata a Lei nº.8.212 de 1991;

  • as entidades do artigo 3º;
  • os organismos oficiais internacionais ou estrangeiros em funcionamento no Brasil, quando contratarem trabalhador segurado do RGPS;
  • os microempreendedores individuais, quando:

a) contratarem trabalhador segurado do RGPS;

b) adquirirem produção rural de produtor rural pessoa física;

c) patrocinarem equipe de futebol profissional; ou

d) contratarem empresa para prestação de serviço sujeito à retenção de que se trata a Lei nº 8.212 de 1991;

  •  os produtores rurais pessoas físicas, quando:

a) contratarem trabalhador segurado do RGPS; ou

b) venderem sua produção a adquirente domiciliado no exterior, a outro produtor rural pessoa física, a segurado especial ou a consumidor pessoa física, no varejo;as pessoas físicas que adquirirem produtos rurais de produtor rural pessoa física ou de segurado especial para venda, no varejo, a consumidor pessoa física; 

  • as demais pessoas jurídicas que estejam obrigadas pela legislação ao recolhimento das contribuições previdenciárias a que se refere o art. 13.

Vale ressaltar que estão equiparadas a empresa, o contribuinte individual e a pessoa física na condição de proprietário ou dono de obra de construção civil, em relação a trabalhador segurado do RGPS que lhes presta serviço, bem como a cooperativa, a associação ou a entidade de qualquer natureza ou finalidade, a missão diplomática e a repartição consular de carreira estrangeiras.

Dica Extra: Já imaginou aprender 10 anos de Prática Contábil em poucas semanas?

Conheça um dos programas mais completos do mercado que vai te ensinar tudo que um contador precisa saber no seu dia a dia contábil, como: Rotinas Fiscais, Abertura, Alteração e Encerramento de empresas, tudo sobre Imposto de Renda, MEIs, Simples Nacional, Lucro Presumido, enfim, TUDO que você precisa saber para se tornar um Profissional Contábil Qualificado.
Se você precisa de Prática Contábil, clique aqui e entenda como aprender tudo isso e se tornar um verdadeiro profissional contábil.

Por Samara Arruda

Comentários estão fechados.