O EFD-Reinf está chegando, você está preparado?

Nos últimos anos o empresariado vem se deparando com as frequentes modernizações das ferramentas de transmissão de informações e pagamentos utilizadas pelo Fisco, todas essas englobadas no SPED – Sistema Público de Escrituração Digital. A título de exemplo temos a escrituração Contábil Digital – ECD e a Escrituração Contábil Fiscal – ECF que vieram a revolucionar as tradicionais atividades desenvolvidas pelos contabilistas em geral.

Em 2018 será a vez das informações trabalhistas e previdenciárias avançarem “na era digital” através de um novo módulo previsto para entrar em vigor: o EFD-Reinf.

Prevista para entrar em vigor juntamente com o eSocial em janeiro de 2018, a Escrituração Digital de Retenções e Outras Informações Fiscais (EFD-Reinf) será responsável principalmente pela transmissão de dados sobre todas as retenções tributárias incorridas nos diversos pagamentos efetuados a terceiros, quais sejam o INSS, IR, CSLL, COFINS e PIS/PASEP.

Anúncios

Com a implantação da EFD-Reinf o governo tem como um dos objetivos, levantar e cruzar os dados dessas retenções de forma mais eficaz, identificando, inclusive, situações de fraudes voltadas para compensações de créditos tributários inexistentes – um dos objetivos do Plano Anual de Fiscalização da Receita Federal do Brasil (RFB) para o ano de 2017, possivelmente continuado em 2018.

Quando em vigor, todas as empresas enquadradas nesta obrigatoriedade deverão possuir de forma organizada as retenções efetuadas e sofridas e declará-las nos prazos predefinidos pela RFB. Atualmente as operações desta natureza são transmitidas de forma descentralizada através de diversas obrigações acessórias como a GFIP, DIRF, dentre outras, dificultando a fiscalização destes dados ou pelo menos permitindo uma análise mais lenta.

Dentre as informações que serão prestadas através da EFD-Reinf, destacam-se:

Se de o contribuinte é obrigado a escrituração contábil digital;

Se o contribuinte está na desoneração da folha de pagamento;

Dados das notas fiscais de prestação de serviço nas quais ocorreram as retenções, inclusive a retenção previdenciária adicional para financiamento da aposentadoria especial;

Os abatimentos aplicados nas bases de cálculo das retenções previdenciárias, incluindo custo com materiais e equipamentos, alimentação, transporte, dentre outros;

Serviços tomados/prestados mediante cessão de mão de obra ou empreitada;

Retenções sofridas na fonte rena fonte (IR, CSLL, COFINS, PIS/PASEP);

Recursos recebidos por/repassados para associação desportiva que mantenha equipe de futebol profissional e respectivas retenções previdenciárias;

Comercialização da produção rural e a apuração da contribuição previdenciária substituída pelas agroindústrias;

Contribuição previdenciária sobre a receita bruta (sua base de cálculo, alíquota e valores em geral);

Receitas de espetáculos desportivos e sua respectiva contribuição previdenciária.

Para atender aos requisitos exigidos por esta nova ferramenta as empresas deverão possuir um sistema de informações compatível com o leiaute do programa e procedimentos internos que atendam aos prazos e informações que serão exigidos.

Vale ressaltar que por se tratar de uma nova obrigação acessória faz-se necessária uma maior interação entre os setores envolvidos no sentido de traçar as estratégias necessárias para o atendimento de forma adequada e tempestiva, evitando a formação de contingências. Ressaltamos ainda, que os dados apresentados através da EFD-Reinf serão cruzados com os dados contábeis, carecendo de prévia conciliação.

Via Performance

Comente no Facebook

Comentários

Facebook Comments Plugin Powered byVivacity Infotech Pvt. Ltd.

DEIXE UMA RESPOSTA

Coloque seu comentpario
Coloque o seu nome

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.