Antes de mais nada, vale destacar que as obrigações tributárias no Brasil são divididas em principais e acessórias. As obrigações principais são o pagamento do tributo ao Governo enquanto as obrigações acessórias são a declaração (recolhimento) desse pagamento.

É o contribuinte o responsável tanto pelo pagamento do tributo como pelo seu recolhimento, mas em algumas situações a responsabilidade tributária é de terceiros – e o contribuinte só fica responsável pelo pagamento do tributo.

Existem também as obrigações trabalhistas que não envolvem tributos, mas possuem caráter de fiscalização e estatística, sendo que umas são anuais e outras mensais.

Vamos dar uma passada nessas siglas!

DIRF – Declaração de Imposto de Renda Retido na Fonte
Esta é uma obrigação tributária acessória e seu recolhimento é da fonte pagadora, que é a empresa. O Imposto de Renda é a maior fonte de arrecadação do governo brasileiro.

Receita Federal entende como funções da DIRF informar:
– os rendimentos pagos para pessoas domiciliadas no Brasil;
– o valor do imposto de renda e de contribuições retido na fonte;
– pagamento, crédito, entrega, emprego ou remessa pagos a residentes ou domiciliados no exterior;
– valores pagos para planos de saúde coletivo empresarial.

Se a empresa possui filiais, é a matriz a responsável por agrupar a DIRF de cada unidade e fazer a declaração em um único arquivo digital.

A declaração da DIRF acontece até o último dia útil do mês de fevereiro.

RAIS – Relatório Anual de Informações Sociais
Obrigação de toda pessoa jurídica, o RAIS é um relatório anual apresentado ao Ministério do Trabalho para dados estatísticos sobre o emprego no Brasil.

Serve de insumo para o controle do FGTS, Sistema de Arrecadação e de Concessão e Benefícios Previdenciários, estudos técnicos e de natureza estatística e atuarial, identificação do trabalhador com direito a abono salarial PIS/PASEP.

O prazo é o dia 28 de fevereiro do ano subsequente ao dos dados que constam no relatório.

CAGED – Cadastro Geral de Empregados e Desempregados
São as informações que formam um gigantesco banco de dados que as empresas atualizam mensalmente, com admissões e desligamentos, para que o governo saiba quem está empregado.

A empresa deve declarar empregados contratados sob regime CLT, trabalhadores regidos pelo Estatuto do Trabalhador Rural, aprendizes, e trabalhadores temporários. Não entram no CAGED servidores da administração pública, trabalhadores avulsos, dirigentes sindicais, autônomos, eventuais, ocupantes de cargos eletivos, estagiários, empregados domésticos residenciais e outros casos específicos.

O prazo do CAGED é até o dia 7 de cada mês.

GFIP – Guia de Recolhimento do FGTS e de Informações à Previdência Social
Levanta informações sobre os segurados. Hoje em dia a GFIP é enviada ao governo por meio da SEFIP, aplicativo digital disponível no site da Caixa Econômica Federal (www.cef.gov.br).  Também temos a GPS (Guia da Previdência Social), um documento responsável pelo pagamento do INSS do colaborador.

Dica para contadores

Atenção você contador ou estudante de contabilidade, o trabalho para seguir com sucesso na carreira profissional é árduo, inúmeros são os desafios que vamos precisar superar nessa jornada. Mas tenha em mente que o conhecimento é o maior bem que você pode ter para conseguir conquistar qualquer que seja os seus objetivos. Exatamente por isso apresentamos para você o curso CONTADOR PROFISSIONAL NA PRÁTICA, o curso é sem enrolação, totalmente prático, você vai aprender todos os processos que um contador experiente precisa saber.

Aprenda como abrir, alterar e encerrar empresas, além da parte fiscal de empresas do Simples Nacional, Lucro Presumido e MEIs. Tenha todo o conhecimento sobre Contabilidade, Imposto de Renda, SPED e muito mais. Está é uma ótima opção para quem deseja ter todo o conhecimento que um bom contador precisa ter, quer saber mais? Então clique aqui e não perca esta oportunidade que com certeza vai impulsionar sua carreira profissional!

Com informações Bazza Contabilidade