OMS aprova a vacina Sinopharm da China para uso emergencial

0

A Organização Mundial da Saúde (OMS) aprovou na sexta-feira, 07, a vacina chinesa Sinopharm Covid-19 para uso emergencial, facilitando o acesso das nações mais pobres a outra vacina muito necessária para ajudar a acabar com a pandemia.

A aprovação permite que a vacina Sinopharm seja incluída na Covax, a iniciativa global da OMS que visa promover a distribuição equitativa de vacina em todo o mundo.

A necessidade é extrema.

Os países ricos estão acumulando doses. A Índia, um grande fabricante de vacinas, parou as exportações para lidar com o agravamento da crise do coronavírus.

Questões sobre segurança após efeitos colaterais extremamente raros levaram alguns países a fazer uma breve pausa no uso das doses de AstraZeneca e Johnson & Johnson ou a mudar suas orientações sobre o uso.

O acesso confiável à vacina pode melhorar ainda mais na próxima semana, quando a OMS considera mais uma injeção chinesa, feita pela empresa Sinovac.

Andrea Taylor, que analisa dados globais sobre vacinas no Instituto de Saúde Global da Duke, considerou a possível adição de duas vacinas chinesas ao programa Covax uma “virada de jogo”.

“A situação agora é tão desesperadora para os países de média e baixa renda que vale a pena mobilizar quaisquer doses que possamos distribuir”, disse Taylor.

“Ter potencialmente duas opções vindas da China pode realmente mudar o cenário do que é possível nos próximos meses.”

Mas a alegria pode durar pouco.

Designed by @pressfoto / Freepik
Designed by @pressfoto / Freepik

Embora a China afirme que pode produzir até 5 bilhões de doses até o final deste ano, as autoridades chinesas dizem que o país está lutando para fabricar doses suficientes para sua própria população e estão alertando ao mundo cansado de pandemia para manter as expectativas sob controle.

“Esta deve ser a época de ouro para a China praticar sua diplomacia de vacinas. O problema é que, ao mesmo tempo, a própria China está enfrentando uma escassez”, disse Yanzhong Huang, pesquisador sênior de saúde global do Conselho de Relações Exteriores.

“Portanto, em termos de acesso global a vacinas, não espero que a situação melhore significativamente nos próximos dois a três meses.”

Ainda assim, a aprovação representa um ponto alto em seus esforços de diplomacia das vacinas e uma chance de preencher a lacuna deixada por nações ocidentais e empresas farmacêuticas em países de média e baixa renda.

Sinopharm é a primeira injeção chinesa a ser classificada como segura e eficaz pela OMS, e sua aprovação pode diminuir as preocupações sobre a falta de transparência das empresas chinesas de vacinas.

Reguladores da China e de outros países aprovaram a vacina Sinopharm nos últimos meses, embora a empresa não tenha divulgado dados de testes clínicos da Fase 3 para os cientistas avaliarem de forma independente.

A OMS teve acesso a esses dados antes da declaração, mas há dados limitados sobre o quão bem a vacina funcionará contra as muitas variantes do coronavírus que estão surgindo em todo o mundo.

Conteúdo traduzido da fonte The New York Times por Wesley Carrijo para o Jornal Contábil