Open Banking faz sucesso e ganha destaque nas plataformas de integração

0

Como quase tudo o que ocorre no Brasil, houve intenso debate público, discussão política, adiamentos e, nesse caso, até mesmo uma pandemia provocada pela covid-19. 

Entretanto, nem mesmo a segunda onda da doença no início de 2021 deve impedir a implementação do open banking no país. 

Marcado inicialmente para 30 de novembro de 2020, a nova data prevista para entrar em vigor é no dia 1º de fevereiro de 2021. 

Trata-se, portanto, de um caminho sem volta – e o principal meio de transporte das empresas nessa jornada refere-se às plataformas de integração. 

Somente elas são capazes de garantir o sucesso de uma estratégia de compartilhamento de informações.  

Expressão que ganhou força entre as instituições financeiras com o avanço das fintechsopen banking pode ser encarado como o compartilhamento de dados dos clientes entre as empresas do setor (sempre com anuência do usuário, evidentemente).

A ideia é garantir maior competitividade entre as empresas e, claro, serviços personalizados de acordo com as demandas e os desejos dessas pessoas.

Designed by @Flamingo Images / shutterstock
Designed by @Flamingo Images / shutterstock

Mesmo assim, seis em cada dez brasileiros (61%) não conhecem e/ou nunca ouviram falar dessa proposta, segundo pesquisa do Ibope encomendada pelo C6 Bank. 

Essa discrepância exemplifica os desafios que o conceito ainda tem no país. Enquanto de um lado as instituições financeiras, principalmente as fintechs, buscam desenvolver soluções para darem conta dessa novidade, a sociedade na outra ponta segue perdida sobre o que fazer. 

Isso ocorre, em parte, pelo tradicional isolamento que o mercado financeiro sempre demonstrou quanto às soluções tecnológicas. 

Por anos, as instituições mais tradicionais adotaram uma postura reticente com ferramentas de TI – afinal, qualquer falha poderia causar um prejuízo gigantesco no Sistema Financeiro Nacional.

Assim, não são poucos os usuários que ainda evitam canais digitais, como apps no celular.  

Por Diogo Lupinari, CEO e cofundador da Wevo, empresa especializada em integração de sistemas e dados