Outubro Rosa: Esclarecimento das principais dúvidas sobre o câncer de mama

Campanha reforça a atenção sobre o tumor mais incidente em mulheres no mundo, após o câncer de pele não melanoma

Não é à toa que o câncer de mama ganha destaque durante todo este mês, com a campanha Outubro Rosa. A ideia é chamar a atenção para a luta contra a doença, reforçar a importância dos hábitos saudáveis e adotar uma rotina de exames para o rastreamento, e para isso, a informação é grande aliada. Apesar de ser o tumor mais comum em mulheres no mundo, após o câncer de pele não melanoma, e a principal causa de morte por câncer para elas no Brasil, o câncer de mama ainda pode causar dúvidas. Pensando nisso, os especialistas do Hospital do Câncer em Uberlândia, Juliano Cunha, mastologista e cirurgião oncológico, e Lara Marques, pesquisadora em saúde coletiva do Núcleo de Projetos, Prevenção e Pesquisa em Câncer do Hospital esclarecem aspectos sobre a doença e compartilham orientações para as mulheres cuidarem da sua saúde.

Somente para este ano, a estimativa é que sejam diagnosticados mais de 66 mil novos casos desta neoplasia no país, de acordo com o Instituto Nacional de Câncer (INCA). O tumor é a principal causa de morte por câncer em mulheres no Brasil, com 18.295 óbitos previstos pela doença, sendo 18.068 deles na população feminina e apenas 227 homens, também de acordo com o Instituto. A conscientização sobre a doença é fundamental e para saber mais sobre o câncer de mama, confira algumas dúvidas esclarecidas pelos especialistas:

Quais fatores aumentam o risco da doença?

“Um dos principais fatores de risco para o câncer de mama é a idade, pois cerca de quatro em cada cinco casos ocorrem após os 50 anos. Além disso, há os fatores comportamentais como a obesidade, inatividade física e tabagismo, que também são significativos tendo em vista que cerca de 30% dos casos do tumor poderiam ser evitados com a mudança destes hábitos. Há ainda os fatores da história reprodutiva e hormonal, como o uso de contraceptivos e os fatores hereditários, como casos de câncer na família. Mas vale lembrar que a presença de um ou mais desses fatores de risco não significa que a mulher terá a doença, entretanto é válido intensificar a atenção e conversar com um médico para uma avaliação individual”, comenta a pesquisadora Lara.

Quais as orientações para a realização de exames de rastreamento?

“É possível detectar o câncer de mama em fases iniciais na grande maioria dos casos, propiciando que tratamentos de menor agressividade sejam indicados e com grandes chances de sucesso, para isso, a realização dos exames de rastreamento é uma importante estratégia a ser adotada. A mamografia é o exame mais recomendado, de acordo com a Sociedade Brasileira de Mastologia, a partir dos 40 anos, as mulheres devem realizar o exame anualmente, uma vez que a maioria dos casos, sendo cerca de 74%, ocorre na faixa etária entre 40 e 50 anos. Mulheres que fazem o exame periodicamente têm mais chances de diagnosticar o câncer de mama antes do desenvolvimento de qualquer sintoma físico e consequentemente mais chances de cura, chegando a 90% de possibilidade”, ressalta o Dr. Juliano. 

Quais os sinais que merecem atenção?

“É importante observar sinais como o surgimento de um caroço fixo e que geralmente não dói. Esta é a principal manifestação da doença, existente em cerca de 90% dos casos em que o câncer é percebido pela mulher. Além disso, deve-se atentar a inchaços, vermelhidões ou ao aspecto de casca de laranja na pele da mama, irritações, alterações ou secreções no mamilo, pequenos nódulos na axila. Sempre que confortável, toque e observe as mamas, não há processo específico para a realização do autoexame e percebendo qualquer alteração, o caminho é procurar atendimento médico para avaliação”, orienta o mastologista.

Homens também podem realizar a mamografia?

“Por ser uma doença rara em homens, não existe rastreamento para o câncer de mama e o exame é solicitado apenas quando o paciente tem alguma queixa”, esclarece a pesquisadora.

Todo caroço apresentado na mama é câncer?

“Não. A maioria dos caroços na mama são cistos ou lesões benignas, e quando encontrados não é necessário desespero, a orientação é procurar o mastologista ou o ginecologista para avaliação”, indica Lara. 

Mais informações e orientações sobre o câncer de mama poderão ser conferidas em uma cartilha e um vídeo educativo preparados pelo Núcleo de Projetos, Prevenção e Pesquisa em Câncer do Hospital do Câncer em Uberlândia, disponibilizados no site da instituição e por meio do canal no Youtube. Além disso, diversos outros conteúdos para reforçar a conscientização sobre a doença, estarão disponíveis nas redes sociais (Facebook,  Instagram @hospcanceruberlandia e Youtube), ao longo de todo o mês. 

Comunidade pode tirar dúvidas sobre o câncer de mama durante live

Oferecendo mais uma forma para que a população possa ter informações e ainda tire dúvidas sobre o câncer de mama, o Hospital realiza nesta quinta-feira (07), às 17h30, no canal do Grupo Luta Pela Vida no Youtube, uma live com pacientes e os especialistas da área, Juliano Cunha e Lara de Andrade Marques. Na transmissão, eles vão comentar sobre formas de tratamento e prevenção e responder a perguntas enviadas pelo público por meio do chat da live.  

Comentários estão fechados.