Oxford diz que dados não mostram problemas com a vacina AstraZeneca

Holanda se junta à lista de países que impedem o lançamento da vacina por medo de coágulo no sangue.

0

O líder do grupo da Universidade de Oxford que desenvolveu a vacina AstraZeneca contra o coronavírus disse que “não há sinal de problema” com sua vacina, depois que vários países suspenderam seu uso por questões de segurança.

Na segunda-feira, a Holanda disse que se tornou o último país a suspender o uso da vacina, e que 10 casos de efeitos colaterais notáveis foram relatados, incluindo trombose. A Indonésia também interrompeu temporariamente seu lançamento.

A Irlanda, Dinamarca, Bulgária, Noruega, Islândia e região italiana do Piemonte também mantiveram suas iniciativas de inserção da vacina de Oxford / AstraZeneca, embora o quadro tenha sido ambíguo, já que a Alemanha disse que continuaria implantando e a Tailândia retomou o uso.

O professor Andrew Pollard, diretor do grupo de vacinas de Oxford, disse à BBC que havia “evidências muito tranquilizadoras de que não há aumento no acontecimento do coágulo de sangue aqui no Reino Unido, onde a maioria das doses na Europa foi administrada até agora”.

“É absolutamente crucial que não tenhamos o problema de não vacinar as pessoas e tenhamos o equilíbrio de um risco enorme, um risco conhecido como Covid, contra o que parece tão distante dos dados que recebemos dos reguladores – nenhum sinal de um problema ”, disse ele.

O Dr. Phil Bryan, chefe de segurança de vacinas da Agência Reguladora de Medicamentos e Produtos de Saúde [Medicines and Healthcare products Regulatory Agency (MHRA)] do Reino Unido, disse que as pessoas “ainda deveriam buscar a vacina Covid-19 quando solicitadas”.

“Estamos revisando os relatórios de perto, mas dado o grande número de doses administradas e a frequência com que os coágulos sanguíneos podem ocorrer naturalmente, a evidência disponível não sugere que a vacina seja a causa”, disse ele.

Os países europeus decidiram suspender as inserções da vacina AstraZeneca, embora a Agência Europeia de Medicamentos, o regulador médico da União Européia, tenha recomendado continuar seu uso por enquanto.

A paralisação ameaça atrasar ainda mais a já atrasada campanha de imunização do bloco europeu.

Foto: CHROMORANGE / Matthias Stolt/Direitos reservados
Foto: CHROMORANGE / Matthias Stolt/Direitos reservados

Vacina de Oxford / AstraZeneca

As autoridades holandesas disseram que 10 dos casos problemáticos, incluindo possível trombose ou embolia, foram relatados por pessoas que receberam a vacina de Oxford.

Isso significava que 43.000 consultas de vacinação seriam canceladas. Hugo de Jonge, ministro da Saúde, caracterizou a pausa como uma precaução e disse esperar que a situação seja resolvida em duas semanas.

A Indonésia citou dúvidas europeias sobre a vacina AstraZeneca em sua própria decisão de interromper seu lançamento temporariamente, acrescentando que aguardaria uma revisão da Organização Mundial de Saúde.

Na semana passada, a OMS disse que não havia sinal de que os problemas foram causados pelas vacinas, enquanto a Agência Europeia de Medicamentos disse não haver indicação até o momento de maior incidência de trombose e embolias em pessoas vacinadas.

É a segunda vez que os países da União Européia se afastam dos conselhos da Agência Europeia de Medicamentos sobre a vacina de Oxford.

Vários países inicialmente se recusaram a dar a vacina a pessoas mais velhas, embora alguns estejam pensando em mudar sua postura e oferecê-la a todos os adultos.

Conteúdo traduzido da fonte Financial Times por Wesley Carrijo para o Jornal Contábil