Pagamentos via boleto serão permitidos pelo PIX: Veja como irá funcionar

0

O novo sistema de pagamentos instantâneos do Banco Central (BC), o PIX, também permitirá que o usuário efetue o pagamento de boletos de contas de água, energia, telefone, internet, entre outros, desde que o documento também apresente a tecnologia do QR Code. 

Com a etapa de cadastros já finalizada, o PIX passará a funcionar oficialmente a partir do dia 16 de novembro, período que as instituições financeiras devem utilizar para validar as chaves registradas, a quais funcionarão como a identificação das contas dos clientes. 

A novidade acerca dos pagamentos por boleto, consiste em uma modalidade distinta do PIX, que permitirá a realização de transações financeiras a qualquer horário durante os setes dias da semana, incluindo os feriados, de maneira que o dinheiro será depositado na conta do receptor em até dez segundos. 

Na oportunidade, o BC explicou que, o fator determinante dos pagamentos via boleto será viabilizado caso o documento tenha se adequado ao novo formato que também contém um QR Code nele.

“Neste caso, o boleto funciona como um mero espaço para a impressão do código”, ressaltou a instituição. 

Assim, as contas irão possibilitar dois formatos de pagamento, seja via código de barras ou QR Code, as quais são dispostas no documento físico, mas que, permitem a diversidade no ato de quitar a dívida. 

Portanto, caso o documento contenha apenas o código de barras, mas não o QR Code do PIX, o cliente não conseguirá efetuar o pagamento pelo referido sistema. 

“Como o PIX não almeja eliminar outras formas de pagamentos, pode ser que o emissor do boleto prefira mantê-lo. 

Neste caso, o código de barras e QR Code coexistirão no mesmo papel”, exemplificou a autarquia federal em entrevista ao Metrópoles. 

Contas de energia 

Ainda no mês de agosto, o Banco Central comunicou uma parceria junto à Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel), possibilitando o pagamento de contas de luz através do PIX, modalidade que irá facilitar o serviço das distribuidoras de energia. 

Inicialmente, esta alternativa irá vigorar por até dois anos, tempo de duração do acordo firmado entre o BC e a Aneel, agilizando e barateando o recebimento de recursos provenientes da prestação de serviços para os cidadãos brasileiros. 

Na última segunda-feira, 26, o chefe da subunidade no Departamento de Competição e de Estrutura do Mercado Financeiro do BC, Breno Lobo, explicou que não serão todas as empresas que irão se integrar ao PIX em 2020, considerando também que adesão se trata de um processo gradativo. 

“Algumas distribuidoras de água e energia entrarão no PIX em novembro, assim como as empresas da parte de telefonia, que vão ofertar o novo sistema tanto para o pagamento de faturas como para a recarga de celulares pré-pagos”, declarou. 

Como utilizar o QR Code

Conforme o próprio Banco Central, o nome sistema de pagamentos instantâneos irá disponibilizar uma modalidade denominada de “PIX Copia e Cola”, de maneira que, através de um QR Code, será possível gerar um código com as respectivas informações apresentadas. 

“Assim, o usuário poderá copiar esse código e depois colá-lo em campo específico de pagamento do prestador de serviço, assim como ocorre, por exemplo, quando o usuário paga um boleto, copiando e depois colando as informações do código de barras”, explicou o BC. 

É importante ressaltar que, as empresas que se adaptarem à modalidade do QR Code pelo PIX, precisam seguir o padrão estabelecido pelo BR Code, lembrando que, atualmente, existem duas modalidades de QR Code, o estático e o dinâmico. 

De acordo com o BC, ambas as alternativas podem ser utilizadas no recebimento de um ou mais PIX e também podem ser gerados pela própria instituição financeira ou de pagamento, além de serem disponibilizados por papel ou meio eletrônico. 

Entenda a diferença: 

  • Estático: poderá ser utilizado tanto para efetuar transferências quanto para pagamentos no comércio, tendo em vista que os dados não são alterados, mantendo o valor a ser pago. 
  • Dinâmico: poderá ser utilizado no meio comercial quando os dados de pagamento podem ser alterados a qualquer momento, como em supermercados, por exemplo. 

Por Laura Alvarenga