Pelo segundo ano o reajuste do salário mínimo deve ficar abaixo do índice da inflação

O salário mínimo deve sofrer a maior alteração dos últimos anos, o último ajuste significativo ocorreu no ano de 2016.

É possível que isso ocorra por conta do percentual da inflação que deve fechar em mais de 7%. Já a correção do ano de 2016 chegou a 11,6%. Apesar do aumento prometido para o ano de 2022, o poder de compra da população não deverá aumentar.  

O reajuste anual ocorre em obediência à Constituição Federal que antevê a revisão para a preservação do poder de compra, contudo, com o aumento dos preços a população continuará tendo dificuldades financeiras. 

Reajuste conforme à Constituição 

Os reajustes periódicos só se dão em respeito às determinações da Constituição Federal que preconiza o ajuste anual com base no percentual da inflação. 

Segundo a PLOA encaminhada para o Congresso Nacional, o ajuste para o ano de 2022 poderá elevar o salário mínimo para R$1.169,00. Presentemente o salário mínimo encontra-se na faixa de R$ 1.100,00. 

Conforme o reajuste, os benefícios disponibilizados pelo INSS também deverão ser reajustados com base no valor do salário mínimo. 

Apesar das correções, o poder de compra do brasileiro não será afetado dado que o ajuste ficou abaixo do índice da inflação. 

Sem mudanças efetivas para a população 

No ano de 2021 o ajuste ficou R$2,00 abaixo do necessário, o valor de R$1.100,00 foi considerado inferior ao da inflação. 

O mesmo deve ocorrer no ano de 2022, a regra prevista pela Constituição requer um aumento que eleve o poder de compra do brasileiro. 

O valor para o ano de 2022 foi publicado por meio do Projeto de Lei Orçamentária Anual, o valor  não reflete um ganho real. 

Em abril o valor estimado para o ano de 2022 era de R$1.147,00. Contudo, o aumento da inflação nos últimos meses supera as estimativas do governo. 

Conforme o Dieese (Departamento Intersindical de Estatísticas e Estudos Socieconômicos) o salário mínimo é orientação para pelo menos 50 milhões de indivíduos no país. Desse número ao menos 24 milhões são beneficiárias da Previdência Social. 

Inflação segundo o INPC e IPCA

O Índice Nacional de Preços ao Consumidor é um dos indicadores brasileiros criados para acompanhar as alterações dos preços que chegam na população do país. Foi criado no ano de 1979 e é medido pelo IBGE. 

O INPC é o método encontrado para medir as mudanças de despesas e custos para grupos familiares com receitas mensais de 1 a 5 salários mínimos. 

Já o IPCA (Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo), é o índice utilizado para aferir as alterações para famílias com rendas de 1 a 40 salários mínimos. 

Ambos são índices criados para acompanhar todas as variações que incidem sobre os preços dos serviços e produtos consumidos pelos cidadãos do país. 

Além de medir a variação o INPC e o IPCA consideram o impacto dos custos nos orçamentos familiares. 

O IPCA é utilizado pelo governo para a medição da inflação e da alteração de taxas e juros.  

Foi registrado um aumento de 1,02% no INPC no mês de Julho. 

O aumento da inflação até o fim do ano pode fazer com que o valor do salário mínimo sofra alterações, mas a expectativa do governo é deixar o valor abaixo da inflação. 

Dica Extra: Já imaginou aprender 10 anos de Prática Contábil em poucas semanas?

Conheça um dos programas mais completos do mercado que vai te ensinar tudo que um contador precisa saber no seu dia a dia contábil, como: Rotinas Fiscais, Abertura, Alteração e Encerramento de empresas, tudo sobre Imposto de Renda, MEIs, Simples Nacional, Lucro Presumido, enfim, TUDO que você precisa saber para se tornar um Profissional Contábil Qualificado.

Se você precisa de Prática Contábil, clique aqui e entenda como aprender tudo isso e se tornar um verdadeiro profissional contábil.

Comentários estão fechados.