Quando falamos de Black Friday, todo mundo pensa nos grandes varejistas. De fato, foram as redes e sites maiores que ajudaram a popularizar a tradicional data do comércio americano por aqui. Mas o evento também é uma oportunidade para as pequenas empresas.

A realidade do negócio menor é diferente, sabemos disso. Não dá para competir com o poder de compra de uma grande companhia, que consegue negociar estoque em larga escala e vender produtos com margens menores de lucro já que ganha no volume. Contudo, isso não é motivo pra ficar de fora de uma das épocas mais importantes do varejo.

O pequeno empreendedor pode e deve usar o atrativo da Black Friday para impulsionar o seu negócio. O evento é um bom momento para colocar em prática estratégias de atração e retenção de clientes.

Por exemplo, se o e-commerce não tem orçamento para escalar a tecnologia e suportar um pico de acessos, uma alternativa é distribuir o fluxo ao longo do período. Como? Ofereça descontos, por tempo limitado, em alguns itens da lista de desejos do seu consumidor.

Divida as ofertas durante o dia e coloque um prazo para elas acabarem e com isso, além de eliminar o número de usuários conectados ao mesmo tempo, cria-se um senso de urgência. Ou seja, corre que vai acabar.

Também é a hora ideal para encantar com experiências diferenciadas. Tem um salão de beleza? Que tal oferecer uma massagem ou uma hidratação para quem cortar durante o período? Dono de uma cafeteria? Ofereça um café premium pelo valor do comum.

Para as pequenas empresas, focar em estratégias alternativas que não demandam altos investimentos ou impactam na rentabilidade é uma saída inteligente para se beneficiar datas sazonais como a Black Friday e ainda conquistar clientes para a vida toda.

Por Osvaldo Meneghel, diretor de marketing da Sage Brasil