A Primeira Seção do Superior Tribunal de Justiça (STJ), ao julgar o Tema 998, em que teve como questão submetida a julgamento o seguinte questionamento “Possibilidade de cômputo de tempo de serviço especial, para fins de inativação, do período em que o segurado esteve em gozo de auxílio-doença de natureza não acidentária”, firmando-se assim a seguinte tese: “O Segurado que exerce atividades em condições especiais, quando em gozo de auxílio-doença, seja acidentário ou previdenciário, faz jus ao cômputo desse mesmo período como tempo de serviço especial.

Assim, aquele segurado que esteve sujeito a condições especiais que prejudiquem a sua saúde ou a sua integridade física, mesmo quando recebia auxílio-doença, seja acidentário ou previdenciário, deve contar esse período como tempo especial para sua aposentadoria.

Entenda o caso

O Tribunal Regional Federal da 4ª Região (TRF4), ao julgar o caso entendeu que “O período de auxílio-doença de natureza previdenciária, independente de comprovação da relação da moléstia com a atividade profissional do segurado, deve ser considerado como tempo especial quando trabalhador exercia atividade especial.

Inconformado com a decisão do tribunal regional, o Instituto Nacional do Seguro Social (INSS), interpôs o Recurso Especial nº 1.759.098 – RS, sustentando como argumentos, a violação dos artigos 55, 57 e 58 da Lei 8.213/1991, 22 da Lei 8.212/1991 e 56 do Decreto 3.048/1999.

O INSS defendeu, a impossibilidade de contagem especial de tempo de serviço no período em que o Segurado está em gozo de auxílio-doença.

Segundo a autarquia previdenciária, uma vez que não há exposição a agentes nocivos no período de afastamento.

O órgão aponta, ainda, que tal concessão viola a legislação vigente e o princípio da prévia fonte de custeio.

No TRF-4 o processo foi julgado na sistemática de Incidente de Resolução de Demandas Repetitivas (IRDR)[1], em que fixou a seguinte orientação: “o período de auxílio-doença de natureza previdenciária, independente de comprovação da relação da moléstia com a atividade profissional do Segurado, deve ser considerado como tempo especial quando trabalhador exercia atividade especial antes do afastamento.

Ao relatar o processo, o ministro Napoleão Nunes Maia Filho, fez um breve histórico da legislação aplicável ao tema.

De acordo com o magistrado, a redação original, do art. 65 do Regulamento da Previdência Social (Decreto 3.048/1999), “permitia o cômputo como tempo especial os períodos correspondentes ao exercício de atividade permanente e habitual sujeita a condições especiais que prejudiquem a saúde ou a integridade física do contribuinte, inclusive quanto aos períodos de férias, licença médica e auxílio-doença.”

O ministro ressalta “que os Decretos precedentes também não restringiam o cômputo do tempo em gozo de auxílio-doença como tempo especial (Decretos 53.831/1964, 83.080/1979, 2.172/1997).” (grifo no original)

Para o relator “comprovada a exposição do Segurado a condições especiais que prejudicassem a sua saúde e a sua integridade física, na forma exigida pela legislação, reconhecer-se-ia a especialidade pelo período de afastamento em que o Segurado permanecesse em gozo de auxílio-doença, seja este acidentário ou previdenciário.” (grifo nosso)

Conforme vem-se delineando até o momento, verifica-se que a legislação avocada encontra-se em total consonância com os argumentos esposados.

Contudo, em 2003 tivemos a edição do Decreto 4.882/2003, acrescentou o parágrafo único ao art. 65 do Decreto 3.048/1999.

Com a inclusão do dispositivo acima, passou-se a reconhecer como cômputo especial somente o período em que o Segurado especial ficasse afastado em gozo de benefício por incapacidade de natureza acidentária, excluindo-se, assim, a contagem especial pelo afastamento na modalidade não acidentária (previdenciária).

Para conhecimento o parágrafo citado encontra-se assim redigido:

Art. 65. Considera-se tempo de trabalho permanente aquele que é exercido de forma não ocasional nem intermitente, no qual a exposição do empregado, do trabalhador avulso ou do cooperado ao agente nocivo seja indissociável da produção do bem ou da prestação do serviço.

Parágrafo único. Aplica-se o disposto no caput aos períodos de descanso determinados pela legislação trabalhista, inclusive férias, aos de afastamento decorrentes de gozo de benefícios de auxílio-doença ou aposentadoria por invalidez acidentários, bem como aos de percepção de salário-maternidade, desde que, à data do afastamento, o segurado estivesse exposto aos fatores de risco de que trata o art. 68.

Ao mencionar a inovação legislativa, o ministro relator, lembra que “(…) nas hipóteses em que o Segurado fosse afastado de suas atividades habituais especiais por motivos de auxílio-doença não acidentário, o período de afastamento seria computado apenas como tempo de atividade comum.”

Auxílio-doença como tempo especial

Superada essa fase argumentativa o magistrado, sustenta que a “distinção não é coerente e contraria a interpretação que se deve fazer das regras de Direito Previdenciário, como se passa a demonstrar.” (grifo nosso)

Para o julgador, “A legislação permite o cômputo, como atividade especial, por períodos em que o Segurado esteve em gozo de salário-maternidade e férias, afastamentos esses que também suspendem o seu contrato de trabalho, do mesmo modo que o auxílio-doença, e retiram o Trabalhador da exposição aos agentes nocivos.” (grifo no original)

Sustentou ainda que, se nesses casos o legislador prevê o cômputo normal desses afastamentos como atividade especial, não há, sob nenhum aspecto, motivo para que o período em afastamento de auxílio-doença não acidentário também não seja computado, desde que, à data do afastamento, o Segurado estivesse exercendo atividade considerada especial.

Para Maia Filho, “não se pode admitir a exposição do Segurado à uma condição de maior vulnerabilidade, além de ter padecido por determinado período de moléstia provocada por circunstâncias alheias à sua vontade, (…)”.

De acordo com o entendimento do ministro, negar o direito a computar esse período como tempo especial, seria retardar ainda mais a saída do segurado do mercado de trabalho.

Sendo que, em outras palavras, é assegurado pela lei sua saída mais cedo do mercado de trabalho, previsão esta incrustada no “(…) texto constitucional e na Lei de Benefícios, mediante o cômputo abonado desse tempo de serviço.”

O douto julgador, entende que a Lei de Benefícios não traz qualquer distinção quanto aos benefícios auxílio-doença acidentário ou previdenciário.

No parágrafo que antecede a conclusão do seu voto, o relator, faz questão de registrar que as “três legislações ordinárias supracitadas, são hierarquicamente superiores ao Decreto 3.048/1999”, o que para ele, “(…) demonstram o propósito do legislador de conferir tratamento isonômico aos benefícios de auxílio-doença acidentário e o não acidentário, já que ambos obedecem à lógica da prévia fonte de custeio”.

E arremata nos seguintes termos “(…) revelando-se, assim, ilegal a negativa de cômputo do período de gozo de auxílio-doença não acidentário como tempo especial.”

Ao final propõe a fixação da seguinte tese: “O segurado que exerce atividades em condições especiais, quando em gozo de auxílio-doença, seja acidentário ou previdenciário, faz jus ao cômputo desse período como especial.”  

Negando provimento ao Recurso Especial do INSS.

Dica Extra do Jornal Contábil: Compreenda e realize os procedimentos do INSS para usufruir dos benefícios da previdência social. 

Já pensou você saber tudo sobre o INSS desde os afastamentos até a solicitação da aposentadoria, e o melhor, tudo isso em apenas um final de semana? Uma alternativa rápida e eficaz é o curso INSS na prática

Trata-se de um curso rápido, porém completo e detalhado com tudo que você precisa saber para dominar as regras do INSS, procedimentos e normas de como levantar informações e solicitar benefícios para você ou qualquer pessoa que precise. 

Não perca tempo, clique aqui e domine tudo sobre o INSS.

Fonte: Prof. Valter dos Santos

html image example