O Produto Interno Bruto do agronegócio do Brasil registrou alta de 0,73% em agosto, segundo pesquisa do Centro de Estudos Avançados em Economia Aplicada (Cepea) em parceria com a Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA). Além disso, o setor registrou alta de 1,38% no acumulado dos oito primeiros meses do ano.

O segmento que mais pesou para o resultado foi o pecuário, com crescimento de quase 10% de janeiro a agosto. A peste suína é apontada pelos pesquisadores como motivo para o aumento da demanda externa pela carne produzida no Brasil.

Da mesma forma, contribuíram também para a elevação do PIB do agronegócio os ramos de insumos, com elevação de 0,41%; e agroindústria, com crescimento positivo de 0,87%.

Consequentemente, os resultados devem contribuir para o crescimento do PIB nacional.

O desenvolvimento da cadeia produtiva agrícola e pecuária indica valorização de ações das empresas do setor. Certamente, o investidor com aplicações em alguma atividade desta área pode ser melhor remunerado com o crescimento do agronegócio.

Em contrapartida, o segmento primário, responsável pela produção de matérias-primas, recuou 0,26% em agosto.

A soma de toda a produção do ramo agrícola recuou 0,09% em agosto, acumulando queda de 1,38% nos oito meses apurados.O resultado negativo é consequência da queda na safra de café e soja. A expectativa é de que o Valor Bruto da Produção feche 2019 com queda de 3,8%, somando R$ 380 bilhões.

Expectativas é de alta para o agronegócio em 2020

Para o ano que vem, a expectativa é de valorização das ações de empresas que atuam nos segmentos do agronegócio, já que o Instituto de Pesquisa Econômica e Aplicada (Ipea) prevê crescimento de 3,7% para o PIB agropecuário, de 2,3% para a pecuária e de 2,8% para o setor agrícola.

Fonte: https://www.euqueroinvestir.com/