PIS: Benefício pode ajudar a reforçar o orçamento

Tempos de crise tornam preciosa toda forma de renda. Alguns abonos pagos pelo governo, e muitas vezes esquecidos pelos trabalhadores, podem trazer o fôlego necessário para enfrentar a combinação de inflação e desemprego. Um deles é o Programa de Integração Social (PIS), que neste ano irá distribuir R$ 17,1 bilhões a 23,4 milhões de trabalhadores brasileiros, conforme o Conselho Deliberativo do Fundo de Amparo ao Trabalho (FAT).

Também chamado de Abono Salarial, o benefício assegura o valor de até um salário mínimo aos trabalhadores que recebem em média até dois salários de empregadores que contribuem para o PIS ou para o Programa de Formação do Patrimônio do Servidor Público (Pasep). Para que o funcionário receba, é preciso que o empregador o inclua na Relação Anual de Informações Sociais (Rais).

O valor que está sendo pago no calendário 2015/2016 é de R$ 788 para quem trabalhou os 12 meses de 2014 _ quem atuou menos tem remuneração proporcional, conforme a Fortus Assessoria Contábil. O saque pode ser feito nas agências da Caixa ou por meio do Cartão do Cidadão nos canais de autoatendimento do banco, casas lotéricas e correspondentes Caixa Aqui. Correntistas da Caixa recebem o crédito do pagamento diretamente nas suas contas. Os benefícios não retirados retornam ao FAT.

O pagamento vai até 30 de junho deste ano. Quem obteve o direito do benefício por ter trabalhado em 2015 começará a receber a partir de julho de 2016, ordenado a cada mês, de acordo com a data de nascimento do beneficiário.

Muita gente esquece ou deixa parado o dinheiro de abonos. No Rio Grande do Sul, 1,485 milhão de trabalhadores têm direito a retirar o dinheiro atualmente. Até agora, 1,077 milhão sacaram — ou seja, cerca de 400 mil pessoas correm risco de ficar sem o benefício, que tem orçamento de R$ 881 milhões para o Estado.

— Além de alguns casos de quem esquece de sacar, há também situações em que os empregadores não enviam corretamente a Rais. Então, é importante que o trabalhador procure saber se os dados estão sendo enviados _ aponta Evanir Aguiar dos Santos, diretor operacional da Fortus.

Segundo o Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão, cerca de 830 mil servidores e empregados públicos que trabalharam antes de 1988 podem ter direito a sacar todo o saldo disponível no Fundo PIS/Pasep — que é diferente do abono salarial. Além disso, 3,79 milhões de trabalhadores do setor privado podem ter esse mesmo direito. O total de recursos em 30 de junho de 2015 era de R$ 37,9 bilhões.

NÃO PERCA SEU DINHEIRO

REGRAS PARA TER DIREITO AO ABONO SALARIAL

Estar cadastrado no PIS há pelo menos cinco anos.

Ter recebido remuneração mensal de até dois salários mínimos durante o ano-base.

Ter exercido atividade remunerada para Pessoa Jurídica, durante pelo menos 30 dias, consecutivos ou não, no ano-base.

Ter seus dados informados pelo empregador corretamente na Relação Anual de Informações Sociais (Rais).

COMO RECEBER

Por crédito em conta, quando o trabalhador tem conta corrente ou poupança na Caixa.

Nos caixa eletrônicos, nas casas lotéricas e nos Correspondentes Caixa Aqui utilizando o Cartão do Cidadão.

Em uma agência da Caixa, apresentando o número do PIS e um documento de identificação.

O saque deve ser feito até 30 de junho.

COMO ACESSAR O FUNDO PIS/PASEP

O benefício é válido para quem trabalhava antes de outubro de 1988 e ainda não sacou o valor total.

Procurar uma agência da Caixa Econômica Federal, se trabalhava numa empresa privada.

Procurar uma agência do Banco do Brasil, se era servidor público. (Com ClicRBS)


Comente no Facebook

Comentários

Facebook Comments Plugin Powered byVivacity Infotech Pvt. Ltd.

Anúncios