PIX: Entenda como funcionará o novo serviço bancário

0

O Banco Central (BC) anunciou há algumas semanas o lançamento de um novo sistema operacional integrado às instituições bancárias cadastradas.

O PIX se trata de um serviço direcionado à pagamentos e transferências virtuais de maneira ágil e simplificada do que aquela fornecida atualmente.

Através dele, as opções Documento de Ordem de Crédito (DOC) e a Transferência Eletrônica Disponível (TED) que podem demorar até dois dias úteis para serem concluídas, poderão ser realizadas em questão de segundos. 

Taxas do PIX

É comum que surjam dúvidas quanto aos impactos que esta nova proposta irá ocasionar aos bancos tradicionais.

Isso porque, as modalidades de DOCs, TEDs, cartões de débito e crédito, bem como, o pagamento de boletos, são uma parcela importante da fonte de recursos das instituições junto a cada cliente.

No entanto, o Banco Central explicou que, os custos do PIX serão direcionados exclusivamente sobre o receptor da transação, e não, sobre quem as efetua. 

Também é importante destacar o investimento na segurança envolvida nas operações, considerando que a proposta é para que o PIX funcione durante 24 horas por dia, sete dias por semana.

Neste sentido, a Associação Brasileira de Internet já demonstrou a preocupação quanto à proteção contra fraudes e invasões do sistema, além de destacar que, esta aplicação provavelmente irá aumentar o custo com a mão de obra e tecnologia. 

Vantagens do PIX

Qualquer cliente de uma instituição bancária ou fintech poderá se beneficiar do PIX, além do que, não é obrigatório que a pessoa possua uma conta corrente, sendo que, também serão permitidas contas poupanças, salário, entre outras modalidades.

É importante destacar que, enquanto as outras plataformas permitem transações somente em horário comercial durante dias úteis, o PIX possibilitará a movimentação financeira a qualquer hora e dia da semana. 

Cabe destacar que, enquanto as instituições financeiras terão o custo mínimo de um centavo para cada dez transações, não haverá a incidência de nenhuma taxa sobre as pessoas físicas.

Neste momento, os bancos, startups e fintechs já iniciaram as preparações tecnológicas para receber a nova modalidade promovendo segurança para os clientes. 

As movimentações poderão ser executadas por meio de caixas eletrônicos, ou pelo próprio smartphone, além de promover a alternativa do QR Code gerado tanto pelas pessoas físicas quanto por estabelecimentos comerciais para realizar alguma transação financeira.

Portanto, serão válidos qualquer tipo de transação, seja transferências de dinheiro entre pessoas físicas e jurídicas, compras online, pagamento de contas como água, luz, internet, bem como, tarifas de impostos ou demais serviços públicos. 

Logo PIX
PIX banco Central

Como utilizar o PIX 

O PIX poderá ser utilizado após o usuário acessar o aplicativo do banco ao qual possui conta e registrar uma chave que poderá se basear no número do celular, cpf/cnpj ou e-mail.

Estas alternativas irão possibilitar que, todas as informações bancárias estejam vinculadas à todas as chaves ou uma específica.

Desta forma, não será precisa repassar todos os dados como, agência, número da conta, cpf, nome completo, entre outras características sempre que for realizar um DOC, TED ou demais pagamentos. 

Também há a possibilidade de cadastrar uma chave aleatória para obter maior privacidade.

Por sua vez, esta, será composta por 32 caracteres escolhidos aleatoriamente, similar ao dígito correspondente ao código de barras.

Esta proposta também permitirá que se evite repassar os dados bancários durante uma operação. 

Transações com o QR Code

Além dos métodos tradicionais de pagamento, também há atualmente, a oferta do QR Code, que permite a conclusão das transações mediante a aproximação da câmara de um smartphone ou outro aparelho que possua este dispositivo.

Segundo o Banco Central, serão duas modalidades de QR Code, o dinâmico e o estático.

QR Code estático 

Esta opção irá permitir a realização de múltiplas operações, cabendo aos estabelecimentos empresariais definir qual será o valor final do pagamento, ou, permitir que o usuário preencha esta quantia.

O QR Code estático é recomendado para os pequenos varejistas, prestadores de serviços ou transações familiares ou entre amigos, no momento de dividir uma conta, por exemplo. 

QR Code dinâmico 

Já esta alternativa, terá uma utilização específica para cada transação, podendo ser usado somente uma vez.

Sendo assim, o receptor poderá estabelecer os dados do pagador, como vencimento, entre outras informações associadas à geração de um boleto bancário.

O QR Code Dinâmico irá facilitar as operações inter empresariais. 

Por Laura Alvarenga