Planeta terra registra seu dia mais curto em 62 anos

O último dia 29 de junho representou o dia mais curto registrado pela terra, desde 1960. 

É uma verdade que diferentes motivos e situações podem nos levar a acreditar que o tempo está passando mais rápido, todavia, cientistas e pesquisadores já conseguem afirmar que isto pode estar se tornando uma realidade. Isto porque, registros confirmam que a terra tem demorado menos para completar uma volta no próprio eixo. 

A rotação da Terra é o movimento no qual o planeta realiza em torno do seu próprio eixo, o que por sua vez, determina a duração de um dia completo. Em tese, tradicionalmente, determina-se que o giro completo tem uma duração de aproximadamente 24 hrs ou 86.400 segundos, podendo ter pequenas variações. 

Contudo, registros têm preocupado cada vez mais os especialistas dessa área de pesquisa, quanto ao curto espaço tempo que o planeta tem levado para completar o movimento. Desde 1960, quando cientistas começaram a medir a velocidade de rotação da Terra, com o auxílio de relógios atômicos de alta precisão, o planeta ficou mais rápido 28 vezes. 

No último dia 29 de junho, um novo recorde veio à tona, de modo que a data representou o dia mais curto, desde quando a rotação passou a ser medida com mais precisão. Segundo os dados IERS, divulgados pela página do Time and Date, nosso planeta completou sua volta em torno do próprio eixo, com 1,59 milissegundo a menos que as 24 hr tradicionais. 

Ademais, segundo o site de notícias The Independent, no dia 26 julho a marca quase foi novamente superada, quando foi registrado uma rotação de -1,50 milissegundo que 24 hrs.  Antes das datas, o menor dia registrada competia a 19 de julho de 2020, quando a Terra girou 1,46 milissegundo mais rápido que o habitual. 

De todo modo, essas diferenças pontuais, podem em um primeiro momento não ser tão relevantes, quanto a percepção do passar do dia. Contudo essas alterações que parecem insignificantes, podem afetar o funcionamento de certas tecnologias, a exemplo, do GPS cujos satélites são equipados com os tais relógios de precisão utilizados pelos cientistas. 

Conforme especialistas, ainda não é possível afirmar, ao certo, o que justifica as alterações na velocidade da rotação do planeta, No entanto, alguns cientistas afirmam que Lua pode ser um grande fator para tal, à medida que o nosso satélite natural influência nas forças gravitacionais da maré o que, inclusive, pode estar contribuindo para diminuição do movimento de rotação. 

No entanto, se dias mais curtos virarem mais recorrentes, em longo prazo, pesquisadores e especialistas já pensam na criação de uma espécie de “segundo bissexto negativo”, subtraindo as diferenças significativas.

Comentários estão fechados.