Operação “Fraudulenti Auxilium”: Polícia Federal investiga fraudes no auxílio emergencial

Polícia Federal desarticula associação criminosa suspeita de fraudes ao auxílio emergencial praticados contra beneficiários do Tocantins.

0

A Polícia Federal deflagrou nesta quarta-feira (30) a Operação “Fraudulenti Auxilium”, visando desarticular associação criminosa especializada na prática de fraudes contra a União.

Aproximadamente 30 Policiais Federais cumprem 2 mandados de prisão preventiva, 6 mandados de busca e apreensão, todos expedidos pela 4ª Vara Federal da Seção Judiciária do Estado do Tocantins, nas cidades de Palmas/TO, Paraíso do Tocantins/TO e Formoso do Araguaia/TO.

Os investigados são suspeitos de fraudar o pagamento do auxílio emergencial subtraindo das vítimas os valores dos seus benefícios, por meio de acessos indevidos as suas contas bancárias digitais, criadas junto à Caixa Econômica Federal (CEF), utilizando os valores para o pagamento de boletos bancários fraudulentos e transferências de valores para contas de terceiros.

O grupo se aproveitava da inocência, da simplicidade e do reduzido grau de escolaridade das vítimas, induzindo-as a erro e gerando sérios prejuízos para a população carente do Estado do Tocantins.

Polícia Cívil

Os investigados poderão responder, nas medidas de suas responsabilidades, pelos crimes de estelionato majorado, furto qualificado mediante fraude (via internet banking), associação criminosa e lavagem de dinheiro, cujas penas somadas podem chegar a 19 anos de prisão. 

A Polícia Federal ressalta que, em razão da situação de pandemia da COVID-19, foi planejada uma logística especial de prevenção ao contágio, com distribuição de EPIs a todos os envolvidos na missão, a fim de preservar a saúde dos policiais, testemunhas, investigados e seus familiares.

Comunicação Social da Polícia Federal em Tocantins

Contato: (63) 3236-5440
E-mail: cs.srto@dpf.gov.br

*** O nome da Operação “Fraudulenti Auxilium” é uma referência em latim ao auxílio fraudulento recebido pelos autores em prejuízo das vítimas dos crimes, que são os verdadeiros beneficiários.

Fonte: Polícia Federal