Por que demitir pode não ser a melhor estratégia?

Segundo dados do Caged (Cadastro Geral de Empregados e Desempregados) o Brasil encerrou o ano de 2017 com mais demissões do que contratações – foram 14.635.899 admissões e 14.656.731 desligamentos. Além disso, segundo o Fórum Econômico Mundial, está prevista a perda de 7,1 milhões de empregos até 2020.

Algumas vezes o corte de custo é realmente necessário, mas na maioria delas, focar apenas na redução de despesas não é a melhor estratégia. “O segredo é criar valor para a empresa, hoje e no futuro”, diz Aureo Villagra, CEO da Goldratt Consulting Brasil.

Demissões afetam a capacidade da empresa em entregar valor

Quando o caixa da empresa está comprometido não há liberdade de manobra, mas se este não é o caso a decisão deve ser muito bem pensada. “Cortar custos de forma linear, especialmente com reduções de pessoal, normalmente afeta a capacidade da empresa em entregar valor”, comenta Villagra. “De uma forma ou outra, ela reduz seus serviços, sua flexibilidade ou sua agilidade em servir seus clientes”, completa.

A empresa pode prejudicar seus objetivos a longo prazo

A empresa poderá focar-se muito nos seus objetivos de curto prazo, entregar o lucro do trimestre e prejudicar seus objetivos de longo prazo, manter-se competitiva e crescendo no mercado. “O ideal é transformar o momento em uma oportunidade e não aumentar ainda mais o problema com decisões focadas em curto prazo”, diz Villagra.

Aproveite o corte de custos, para construir uma vantagem competitiva

Em uma situação de crise generalizada os clientes da empresa provavelmente também estão em um ciclo de demissões e corte de despesas, muitas vezes precisando mais ainda da ajuda de seus fornecedores, mais serviços, flexibilidade e velocidade. Por outro lado seus concorrentes provavelmente também reduziram quadros e não estão prontos para oferecer mais serviços.

“É o momento de prestar atenção na nova realidade”, diz Villagra. “Com certeza é importante proteger seu caixa e seus gastos, mas sem nunca deixar de pensar em como entregar mais valor para seu cliente”, completa.

Sobre Aureo Villagra

CEO da Goldratt Consulting Brasil e Partner da Goldratt Consulting, sua atuação é destacada em projetos de consultoria no Brasil, Japão, EUA, Europa e Ásia. A Goldratt Consulting é a empresa fundada pelo Dr. Eli Goldratt, criador da Teoria das Restrições (TOC). Aureo Villagra possui vasta experiência dirigindo sua própria empresa de consultoria ao longo de 25 anos no Brasil e em Portugal. Gerenciou projetos em cerca de 200 empresas, desde empresas familiares em processo de sucessão, recuperação, crescimento e expansão de empresas, estratégia competitiva e aplicação da Teoria das Restrições.

Comente no Facebook

Comentários

Facebook Comments Plugin Powered byVivacity Infotech Pvt. Ltd.

Anúncios

DEIXE UMA RESPOSTA

Coloque seu comentpario
Coloque o seu nome

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.