Você já ouviu falar de POS? E de TEF? Talvez você conheça POS como “maquininha de cartão”.

Já TEF talvez não seja um termo tão conhecido do seu dia a dia.

Ambos os termos se referem a soluções de pagamentos largamente utilizadas no varejo para realizar vendas com cartões.

Mas você sabe a diferença entre POS e TEF?

Com um mercado de cartões em crescimento, as opções para facilitar a oferta dessa forma de pagamento aos clientes estão cada vez mais modernas.

As máquinas de cartão – nome popular do POS – são a solução mais conhecida dos empreendedores, sendo largamente utilizadas no pequeno varejo, e também por profissionais autônomos.

Mas as máquinas de cartão são apenas uma das soluções de pagamento existentes.

Outra solução bastante utilizada, mas dessa vez por empresas maiores, são os sistemas integrados aos pontos de venda.

O sistema de Transferência Eletrônica de Fundos (TEF) é um desses sistemas e tem como principal objetivo fazer a integração entre as vendas de cartões e o processo de automação comercial da empresa.

Com a TEF, as vendas automaticamente entram no sistema de gestão da empresa e atualizam estoque, contas a pagar, a receber, etc.

O sistema TEF também é responsável por fazer a comunicação entre o estabelecimento comercial e a operadora de cartão, similar à comunicação realizada pelos POS.

Assim como no POS, a TEF também tem sua “maquininha de cartão” mas a funcionalidade dela é restrita apenas a fazer a captura da senha por parte de quem utiliza o cartão.

Características do POS

O POS – também conhecido como “máquina de cartão” – tem como principal vantagem seu preço atrativo.

Existem várias opções sem custos no mercado e, os que possuem custo, ficam em torno de R$ 50 por mês por máquina.

A solução é muito fácil de usar, já que o sistema é bastante intuitivo.

Basta-se inserir o cartão, solicitar a senha junto ao cliente e pronto.

A mobilidade é outra grande vantagem pois permite que a máquina seja enviada até a casa do cliente, muito útil para quem trabalha com delivery por exemplo.

Cada POS é oferecido por um fornecedor, com negociações de taxas diferentes.

Por isso é tão comum vermos diversas máquinas num mesmo estabelecimento.

É comum, principalmente no comércio, haver mais de uma máquina e o caixa optar por passar a venda pela máquina que esteja com a melhor condição comercial no momento.

O POS utiliza uma linha telefônica ou conexão GPRS (chip de dados) para comunicação, e os cupons das vendas são impressos pelo próprio POS, dependendo do tipo de equipamento utilizado na transação, não sendo necessário o uso de um computador.

A maioria das empresas que oferecem POSs ao mercado oferece o chip de dados gratuitamente.

Assim, o comerciante não tem custo de telefonia ao utilizar a máquina.

Características do TEF

Diferente do POS, o TEF é multiadquirente, dispensando inúmeras máquinas e ampliando a gama de cartões aceitos sem que isso represente custo adicional ao empresário.

Um sistema TEF não é limitado a aceitar apenas uma ou outra bandeira como acontece na maioria das máquinas de cartão.

consignado
POS e TEF

É possível negociar com diferentes adquirentes para poder aceitar diversas bandeiras no seu negócio, de acordo com suas necessidades, utilizando uma única máquina (que funciona apenas como terminal de captura de senha).

Com isso, é possível contar tanto com a mobilidade e facilidade de uso do POS, quanto com o maior controle das vendas e das taxas pagas do TEF.

Muito comum em supermercados, farmácias e outros locais com número de vendas elevado, ele possui uma vantagem maior no controle do fluxo de caixa já que está integrado com o sistema de gestão da empresa.

A solução também impossibilita erros de digitação na hora de inserir o valor a ser cobrado e é mais robusta diante de ataques que exploram as vulnerabilidades das maquininhas POS.

Apesar de, aos olhos de um leigo, não haver muitas diferenças claras entre essa tecnologia e o POS, na parte sistêmica as diferenças são grandes.

Para quem é indicada a solução de TEF?

A solução de TEF é mais indicada para empresas maiores, com vários caixas por exemplo, já que possui custo superior às maquinas de cartão.

No TEF normalmente paga-se uma mensalidade ao fornecedores, alem das taxas cobradas pelas empresas de cartão.

Faz pouco sentido que um restaurante pequeno ou um delivery de comida trabalhem com um sistema TEF.

Para esses estabelecimentos, a mobilidade do POS é indispensável, já que as maquininhas podem ser levadas sem problemas tanto à mesa quanto à porta do cliente.

Tudo isso sem que estejam conectadas à rede de dados da empresa por cabos, wifi ou a um terminal na loja, como é necessário na solução TEF.

Por fim, é preciso consultar a legislação local em relação ao TEF.

Alguns estados determinam que estabelecimentos de certas categorias trabalhem exclusivamente com a solução.

Analise a regra onde seu negócio está estabelecido.

Então qual escolher para meu negócio, TEF ou POS?

Para responder essa questão o primeiro passo é entender sua necessidade.

Se sua empresa é pequena, uma loja única por exemplo, uma maquininha de cartão é mais indicado.

A máquina é mais barata de se adquirir e atende sua necessidade por completo.

Importante ressaltar que ao utilizar uma máquina POS, o estabelecimento fica restrito a aceitar apenas os cartões operados por sua fornecedora.

A solução é ter mais de uma máquina e aproveitar os benefícios de cada uma delas, inclusive negociando taxas diferentes para cada operação.

Já para empresas de médio a grande porte, o TEF vai se tornando uma melhor opção por diversos motivos, começando pela automação comercial e praticidade que o sistema traz para a empresa.

Como dissemos acima, é importante analisar se a legislação de sua cidade não exige que você tenha uma solução TEF no seu estabelecimento.

Dica do Jornal Contábil: Com a maquininha C6 Pay você tem benefício de verdade! E poderá aceitar as principais bandeiras de débito e crédito do mercado. Clique AQUI para saber mais.

Fonte: Conexão Financeira