possíveis mudanças no sistema tributário preocupam pequenas e médias empresas

A tão esperada reforma tributária tem tirado o sono dos empresários brasileiros, algumas medidas impactam diretamente as PMEs.

A tão esperada reforma tributária tem tirado o sono dos empresários brasileiros, algumas medidas impactam diretamente as PMEs.

Embora tais medidas ainda em fase de discussão é importante que empresários fiquem atentos para possíveis medidas que irão impactar seus negócios. 

A segunda fase da reforma tributária está causando muita polêmica para as microempresas e empresas de pequeno porte, o texto da reforma traz a alteração da alíquota geral do Imposto de Renda para Pessoas Jurídicas (IRPJ) dos atuais 15% para 12,5%, em 2022, e 10%, a partir de 2023 e permanecerá o adicional de 10% para lucros acima de R$ 20 mil por mês. 

Atualmente empresas que estão baseadas pelo regime de lucro presumido, o cálculo do IRPJ e da Contribuição Social sobre o Lucro Líquido (CSLL) se baseia na presunção do lucro da empresa, as alíquotas são fixas e presumidas a partir do segmento de atuação daquela companhia.  

A distribuição de lucros e dividendos hoje é isenta de Imposto de Renda; ou seja, o sócio não precisa pagar impostos à Receita Federal, como fazem os empregados em relação aos seus salários. 

O governo propõe recolher na fonte 20% sobre lucros ou dividendos, com uma exceção que beneficia sócios de pequenas e médias empresas, portanto quem tiver de pagar o imposto sobre a distribuição de lucros e dividendos vai sair prejudicado mesmo com a atualização da tabela do IR, que alivia a alíquota final cobrada de todas as pessoas físicas. 

A isenção para dividendos de micro e pequenas empresas pelo projeto, estabelece uma isenção de R$ 20 mil por mês por pessoa física se a distribuição vier de microempresa ou empresa de pequeno porte.

A medida beneficiaria quem recebe lucros e dividendos de pessoas jurídicas com faturamento anual de até R$ 4,8 milhões.

Caso alguém receba mais de R$ 20 mil de micro ou pequenas empresas, seria cobrado 20% sobre o valor excedente, considerando a soma total vinda daquelas pessoas jurídicas.

Se o profissional recebe lucros ou dividendos de empresa com faturamento anual maior que R$ 4,8 milhões, qualquer valor seria taxado em 20%.

Assim, a tributação ficaria mais pesada para um médico que recebe R$ 5.000 por mês dos lucros de uma grande empresa do que para um médico que montou uma empresa individual e ganha R$ 20 mil por mês em distribuição de lucros.

E a reforma tributária traz mais complexidade, as empresas do Simples e Lucro Presumido com a nova fiscalização que surgirá a partir dos riscos de uma distribuição disfarçada de lucros, terão que se resguardar registrando todas as despesas, incluindo a distribuição de bens e serviços, com isto ficará mais caro para as PMEs, aumenta a burocracia e aumenta os custos para as empresas do Simples. 

O Brasil clama pela justiça fiscal, onde cada um contribui relativamente à sua capacidade econômica, renda e riqueza, mas que seja justa. 

Por: Elvira de Carvalho, consultora tributária e especialista em Imposto de Renda da king Contabilidade.

Dica Extra: Já imaginou aprender 10 anos de Prática Contábil em poucas semanas?

Conheça um dos programas mais completos do mercado que vai te ensinar tudo que um contador precisa saber no seu dia a dia contábil, como: Rotinas Fiscais, Abertura, Alteração e Encerramento de empresas, tudo sobre Imposto de Renda, MEIs, Simples Nacional, Lucro Presumido, enfim, TUDO que você precisa saber para se tornar um Profissional Contábil Qualificado.

Se você precisa de Prática Contábil, clique aqui e entenda como aprender tudo isso e se tornar um verdadeiro profissional contábil.

Comentários estão fechados.