Prestação de serviços: Conheça o maior setor econômico do país

0

Ainda que pareça óbvia, a definição de prestação de serviços consiste em toda atividade econômica que visa atender às demandas do mercado sem envolver a venda de uma mercadoria física. 

Outro meio de definir um serviço é dizer que ele e produzido ao mesmo tempo em que é consumido, sem implicar na necessidade de possuir um bem material. 

Por exemplo, ao invés de uma pessoa pagar pela transferência da propriedade, o consumidor de serviços paga pelo trabalho, seja um corte de cabelo, conserto de eletrodoméstico, limpeza; uma experiência, como um jantar, uma viagem, cinema; ou o uso de algum serviço, seja ele de streaming, aluguel de imóvel, academia, entre outros. 

Observando esses exemplos, entende-se que, são prestações de serviços as atividades de transporte, educação, alimentação, telecomunicações, saúde, beleza, marketing, advocacia, tecnologia da informação, entre outras áreas essenciais. 

A prestação de serviços possui uma distinção nítida na venda de produtos e, é extremamente importante compreender o que separa essas atividades, sendo que, o primeiro ponto se trata de um produto tangível, o qual é materializado durante o processo de produção, cuja posse é transmitida para o comprador. 

Por outro lado, o produto intangível, não é assumido no formato de uma mercadoria física, uma vez que é produzido ao mesmo tempo em que é consumido, conforme observado anteriormente. 

Por exemplo, enquanto um automóvel e um ônibus são produtos, uma passagem de coletivo ou uma corrida de táxi ou Uber são serviços. 

O mesmo vale para o aparelho celular que é um produto, mas a linha telefônica utilizada e cobrada pela operadora consiste em um serviço. 

Outra possibilidade de distinguir a definição de produto e serviço é posicionar cada uma das alternativas diante de quatro conceitos: tangibilidade, propriedade, perecibilidade e inseparabilidade.

1 – Tangibilidade

Se trata da facilidade em mensurar por qual serviço o cliente está pagando e, qual o custo do empresário agregado à produção do serviço prestado.

O produto tem mais tangibilidade, enquanto no serviço, é mais difícil de mensurar o esforço dedicado à sua prestação. 

2 – Propriedade

Conforme observado, o produto muda de propriedade, indo do fabricante para o comprador.

Já no caso da prestação de serviços, mesmo quando existe algum produto envolvido, não acontece a troca de propriedade. 

Por exemplo, ao alugar um carro, o cliente paga para usufruir do serviço por um determinado período, contudo, a proprietária do automóvel continua sendo a locadora. 

3 – Perecibilidade

Consiste na duração de um produto, o qual pode estragar ou perder a validade enquanto ainda está no estoque ou, até mesmo, já em posse do cliente. 

Já no caso do serviço, não há esse problema, pois, o máximo que pode acontecer é pagar por um serviço mal feito que precisará ser executado novamente.

4 – Inseparabilidade

Esta é uma característica marcante dos serviços prestados junto ao cliente, uma vez que, ao contrário dos produtos, a produção acontece em várias etapas. 

Quando isso acontece, o prestador de serviços tem uma preocupação maior em satisfazer o cliente imediatamente.

No entanto, a relevância deste último critério na diferenciação de serviço e produto, já não costuma ser tão relevante mais, uma vez que, atualmente, uma série de serviços são prestados via telefone, online ou por microempreendedores em home office, sendo entregue de uma única vez ao cliente. 

Isso acontece porque, com a transformação digital e o surgimento de um mercado cada vez mais complexo, a confusão entre produtos e serviços se tornou bastante comum, tendo em vista que, muitos produtos incluem serviços na oferta e vice-versa.

Um exemplo é quando terceiros oferecem uma garantia quando o consumidor compra algum produto como, carros, eletrodomésticos, eletrônicos e outros bens de consumo duráveis, isso se caracteriza como um serviço.

Desta forma, ao pagar pela manutenção do carro, não resta dúvidas de que se trata da aquisição de um serviço

Portanto, na cada de ofertas “mistas”, prevalece a característica dominante. 

Por outro lado, ao analisar o universo digital, há a possibilidade de integrar produto e serviço na mesma plataforma, como no caso da Netflix, onde o cliente paga para ter acesso ilimitado ao catálogo de filmes e séries da empresa e, no Spotify, que o pagamento visa liberar músicas à vontade e sem interrupção.

Análise do setor 

O setor de serviços é um dos mais importantes da economia brasileira, além de ser um grande gerador de empregos no Brasil. 

Conforme apurado pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística neste ano, a prestação de serviços representa cerca de 70% das empresas do país, além de ser responsável por 30% do Produto Interno Bruto (PIB)

Já em 2019, o setor liderou a geração de novos postos de trabalho mediante mais de 382 mil vagas formais que foram abertas, em contrapartida às 145 mil do setor de comércio e, 71 mil de construção civil, segundo dados apresentados pelo Ministério da Economia. 

Além disso, o painel de empresas o Data Sebrae ainda aponta que, há cerca de 8,64 milhões de empresas prestadoras de serviços em atividade no Brasil, em comparação com 6,61 milhões de comércio, 1,90 milhão de fábricas, 1,36 milhão construção civil e 697 mil negócios agropecuários (dados referentes ao mês de maio de 2020). 

Portanto, observa-se que, o setor de serviços representa, nada menos do que, 44,9% de todas as empresas ativas no país e, está na liderança em número de negócios se comparado aos demais setores. 

Por fim, também é importante mencionar que, aproximadamente 90% das empresas contabilizadas pelo Sebrae são de micro e pequeno porte, como Microempreendedores Individuais (MEIs), Microempresas (ME) e Empresas de Pequeno Porte (EPP).

Portanto, é possível dizer que, o setor de prestação de serviços está na linha de frente da economia brasileira. 

Por Laura Alvarenga