Profissão Trader: Como atuam os profissionais que vivem da Bolsa

0

O trader é um profissional que vive de operações realizadas na Bolsa de Valores. Em inglês, trade significa “troca”. Ou seja, neste caso, o trader é alguém que vive de fazer trocas no ambiente da Bolsa de Valores.

Essas trocas na realidade são as movimentações de ativos, via compra ou venda.

A ideia é que o trader atue como um especialista nessas movimentações de mercado, seja defendendo seus próprios interesses, seja defendendo os de terceiros.

O que é preciso para se tornar trader

Não há exigências técnicas para essa profissão, até porque qualquer pessoa com a situação regularizada pode operar no ambiente da Bolsa de Valores.

Entretanto, é recomendável que o trader atue como um especialista, o que exige muita dedicação, de preferência, com a formação em uma escola de trading apta a ensiná-lo a trabalhar com métodos.

Existe uma série de mecanismos que são úteis para quem investe em ações. Entre eles, pode-se citar a análise gráfica, o tape reading e o position trade.

Estas metodologias que servem como suporte principalmente para os procedimentos de maior risco.

Basicamente, o trader precisa dominar conceitos básicos de economia e ter boa noção de questões que envolvem a formação de preços dos ativos.

Isso pode ser feito por qualquer pessoa vinda de qualquer área de formação, mesmo que não seja de ciências exatas.

As ferramentas necessárias para o trader

É possível começar a atuar como trader apenas com um bom computador e uma conexão segura com a internet.

De preferência, uma conexão que garanta a agilidade no envio de dados para o ambiente da Bolsa de Valores, uma vez que a velocidade nas operações pode ser um diferencial nesse tipo de atividade.

Além disso, o trader só pode começar a operar a partir do momento em que abrir uma conta em uma corretora de valores.

Neste caso, ele precisa apenas ter atenção aos custos envolvidos com as operações e optar por uma instituição que apresente diferenciais nesse sentido.

Em alguns casos, como na Genial Investimentos, existe uma série de funcionalidades para quem deseja começar com maior segurança nesse mercado.

O risco na atividade profissional do trader

O maior risco é uma condição natural para o mercado de renda variável. Por isso mesmo, ela tende a oferecer os melhores resultados. Cabe ao investidor assumir os riscos e partir em busca de seu sucesso.

Não por acaso, é recomendável que o investidor iniciante comece por títulos de perfil conservador na renda fixa. Assim, dentro de um processo, recorra a soluções tidas como moderadas em um segundo momento.

E somente em um terceiro momento avance rumo a ativos menos seguros e mais rentáveis, como o mercado de ações.

Consequentemente, é fundamental que o profissional que se dedica a esse segmento, saiba lidar com riscos. O controle deles envolve uma série de entendimentos. Talvez o principal deles seja a definição de um valor máximo de prejuízo por dia.

Nesse contexto, surgem ferramentas como o Stop Loss, referente ao limite de desvalorização. Esse tipo de recurso é um exemplo do que o trader pode usar na busca por um maior controle de riscos.

O ambiente da Bolsa de Valores apresenta uma série de possibilidades nesse sentido, mas todas dependem de um profundo conhecimento do operador para apresentarem melhores resultados.

A importância da ação estratégica

É muito difícil que os resultados apareçam sem estarem associados a uma estratégia bem elaborada. Principalmente quando a operação precisa ser feita em espaços reduzidos de tempo, como no Day Trade.

Nesse tipo de prática, a negociação não leva mais do que um dia, o que exige do trader um jogo de cintura maior do que o do investidor que aplica pensando no longo prazo.

É preciso ir além do chamado “feeling” nesse contexto. Sendo mais indicado dominar procedimentos que envolvem a análise de gráficos e estatísticas que as ações apresentam em conformidade com seus fundamentos.

Quando o trader tem a disciplina necessária para tanto, ele trabalha com metas e critérios, tornando mais racional o seu dia a dia na Bolsa.

Do contrário, a incidência de erros é muito maior, pois sem uma base sólida para tomar decisões, qualquer oscilação pode levar a decisões equivocadas, gerando prejuízo para o profissional.