Tudo indica, que nesta terça-feira (25), o presidente Jair Bolsonaro (sem partido), deverá anunciar a prorrogação do auxílio emergencial. Entretanto, uma coisa é certa, o valor não será de R$ 600.

Bolsonaro
Foto: Isac Nóbrega/PR

A divulgação, que acontecerá por meio de solenidade no Palácio do Planalto, também trará novidades sobre o programa de recuperação econômica.

A expectativa é que o auxílio emergencial seja estendido até dezembro de 2020, sendo o pagamento de mais quatro parcelas, com um valor que deverá ser de R$ 200 ou R$ 300.
Segundo o líder do governo no Senado, Fernando Bezerra Coelho (MDB-PE), a divulgação, que acontecerá por meio de uma solenidade no Palácio do Planalto, também trará o anúncio de uma nova agenda com medidas para a recuperação da economia, no chamado programa Pró-Brasil.

“Se você vai ter uma parcela de R$ 200 que seria por decreto e mais duas de R$ 250 ou de R$ 300, ou se você vai ter 4 (parcelas) de R$ 250, ou se você vai ter 4 de R$ 300… Isso são contas que estão sendo feitas pelo Ministério da Economia e o presidente vai ver qual a melhor forma”, declarou o senador.

Manutenção do teto de gastos

A cerimônia no Palácio do Planalto nesta terça-feira, também contará com a apresentação de um substitutivo pelo senador e relator, Marcio Bittar (MDB-AC), que irá unir a então Proposta de Emenda à Constituição (PEC) de gastos, a PEC do pacto federativo e demais sugestões do Executivo.

Previsto para começar a vigorar em janeiro de 2021, o programa social deverá beneficiar cerca de 20 milhões de famílias no país. Para isso, será necessário unificar algumas ações de distribuição de renda, como o Bolsa Família, abono salarial PIS/Pasep e o seguro-defeso (destinado para famílias de pescadores artesanais durante a época de reprodução de espécies).

Edição por Jorge Roberto Wrigt Cunha – jornalista do Jornal Contábil