Quais vacinas estão sendo utilizadas no Brasil?

A vacinação contra a covid-19 no país atingiu mais uma marca importante neste final de semana: mais de 71 milhões de brasileiros receberam a primeira dose da imunização contra a doença.

Esse número representa a vacinação de 44% da população considerada apta a receber a imunização. Além disso, 25,5 milhões de brasileiros já completaram a segunda etapa da vacinação.

Os dados são da plataforma LocalizaSUS, disponibilizada pelo Ministério da Saúde que apresenta todo o andamento da campanha de vacinação no país.

Até a semana passada, o Brasil contava apenas com vacinas de duas doses para conclusão do ciclo vacinal, mas agora, também será feita a imunização através da vacina  Janssen/Johnson & Johnson, que possui dose única.

Diante do maior número de marcas disponíveis, reunimos neste artigo quais são as vacinas que estão sendo oferecidas na campanha de imunização contra a covid-19. Confira!  

Vacinas 

De acordo com a Organização Mundial da Saúde (OMS), há 287 imunizantes em desenvolvimento pelo mundo, sendo que oito são regulamentadas. Inicialmente, foram utilizadas no Brasil três imunizantes, são elas: 

AstraZeneca: esta vacina foi desenvolvida pela farmacêutica AstraZeneca em parceria com a universidade de Oxford. No Brasil, ela é produzida pela Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz).

Foto: Tomaz Silva/Agência Brasil
Foto: Tomaz Silva/Agência Brasil

A tecnologia empregada é o uso do chamado vetor viral e possui índice preliminar de 90% de eficácia a depender da dosagem aplicada. 

Pfizer: essa vacina é da farmacêutica Pfizer e foi desenvolvida em parceria com o laboratório BioNTech.

Possui a tecnologia de RNA mensageiro, ou mRNA, que estimulam a resposta do sistema imune. Estudos mostram que esse imunizante reduziu as infecções sintomáticas pela doença em 97%. 

CoronaVac: esta vacina foi desenvolvida pela empresa chinesa Sinovac e, agora, é produzida pelo Instituto Butantan.

Ela utiliza a tecnologia de vírus inativado (morto), que, ao ser injetado no organismo induz uma resposta imunológica. A sua eficácia primária é de 50,7%, podendo chegar a 62,3%.

Nova vacina

A vacina Janssen foi criada pelo grupo Johnson & Johnson e também se utiliza da tecnologia de vetor viral,- quando vírus que é geneticamente modificado para não se replicar em humanos. 

Ela é aplicada em apenas uma dose e, na última semana, o Ministério da Saúde recebeu  mais de 1,8 milhão de doses. Outras 3 milhões de doses da Janssen foram doadas pelo governo dos Estados Unidos para a imunização da população brasileira.

No último sábado, 26, parte da doação chegou ao Brasil  e, imediatamente após a chegada das doses, o Ministério da Saúde coordenou o envio do imunizante para todos os estados e Distrito Federal. 

Vacinas aguardadas 

A vacina russa Sputinik-V deve ser a próxima utilizada no Brasil, devido à autorização de importação excepcional aprovada pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa).

Seu uso será feito sob condições controladas e estudos mostram que possui eficácia de 97,6%. O governo também pretende disponibilizar a vacina indiana, que é produzida pelo laboratório Bharat Biotech.

O imunizante já apresentou 78% de eficácia e também atua em variantes, mas a sua aquisição segue na mira de investigação para apurar possíveis irregularidades. O contrato para aquisição da Covaxin é de R$ 1,6 bilhão com dispensa de licitação, para 20 milhões de doses e ainda não têm prazo de entrega. 

É importante destacar ainda que, apesar de existir diferenças sobre a tecnologia utilizada e a eficiência, todas protegem quase 100% contra a forma grave da covid-19.

Por Samara Arruda

Comentários estão fechados.