Quando pedir um empréstimo para o seu negócio?

A primeira motivação e a mais comum de quem quer contratar um empréstimo para empresa ou para autônomo é a dívida.

Para realizar um empréstimo para pessoa jurídica é importante analisar as situações que levam a essa busca. Em primeiro lugar, delimitar quem é você no jogo: uma pessoa jurídica “pequena” ou uma pessoa jurídica “grande”? A contratação por parte de trabalhadores únicos e por parte de grandes empresas possuem motivações diferentes.

Para reunir essas buscas e torná-las geral fizemos uma listagem de justificativas mais comuns para realizar a contratação de um empréstimo e explicamos como realizá-las da maneira correta. 

Dívida

A primeira motivação e a mais comum de quem quer contratar um empréstimo para empresa ou para autônomo é a dívida. Infelizmente, o Brasil não possui uma boa educação financeira e, apesar desse modelo de trabalho ser diferenciado, trazendo inúmeros benefícios, muitas pessoas ainda se endividam no país.

Isso pode acontecer em pequena e em grande escala. Um trabalhador PJ tem direito de contratar valores altos, à medida que comprove que a sua renda sustentará o pagamento do valor adquirido. 

A depender do modelo de empréstimo a ser contratado, algumas agências não autorizam a liberação do dinheiro. Porém, isso acontece somente em casos específicos de pessoas que já tiveram algum problema com pagamentos ou acontecimentos do tipo. 

Crescimento

Em contrapartida, enquanto alguns autônomos e empresas  contratam crédito a fim de sanar uma dívida, existem aquelas que captam esse dinheiro para crescer e seu ramo, seja com a sua empresa de grande escalão ou somente trabalhando por conta própria.

Um redator, por exemplo, passa muito tempo do seu dia em frente ao computador. Para isso é necessário instrumentos ergonômicos para não haver nenhum problema de saúde futuro, além de uma máquina de qualidade para ajudar no processo de feitura do produto. 

Ou seja, esta é uma forma de crescer no mercado e apostar no serviço como pessoa jurídica. Os valores para contratação podem ser variados e estão de acordo com o escalão que você pertence na sociedade. 

Investimento

Por último, mas não menos importante, é comum esse público pedir um empréstimo para realizar um investimento. Este pode ser variado, como aplicar num item de trabalho ou até mesmo aplicar em uma conta para render dinheiro.

Uma empresa grande pode realizar a sua caixinha através desse valor e ir pagando à agência contratada aos poucos. Os lucros certamente virão em pouco tempo e mostrarão o crescimento financeiro que isso pode causar. 

Independente de qual seja a motivação, as vantagens são muitas, pois as taxas reduzidas e prazo estendido para pagamento automaticamente facilita o lucro ao longo do tempo. 

Quais são os empréstimos para esse público?

Agora pensando diretamente no empréstimo para autônomos e empresas e os modelos que existem no Brasil, precisamos descrever o que cada um faz e qual o mais indicado entre todos, tendo em vista que nem sempre esse tipo de serviço pode se tornar algo agradável ao contratante. 

Apesar de existirem incontáveis métodos no país, muitos deles não atendem aos que trabalham como pessoa jurídica, limitando um pouco a diversidade deste serviço. Entretanto, isso não significa que seja um problema, pois todos aqueles que não aceitam esse tipo de trabalhador não é benéfico a ele – ou seja, torna-se um livramento.

Por isso, preste atenção nos modelos abaixo e entenda qual o melhor se encaixa em sua busca e nas buscas gerais. São somente três, mas que podem fazer uma diferença extrema na hora da escolha. 

Empréstimo pessoal

O empréstimo pessoal, sem dúvida alguma, é o método de contratação de capital mais comum do Brasil. Quem nunca viu um amigo ou familiar recorrer a um banco público ou privado para realizar um empréstimo? Sim, isto é normal em agências bancárias e possui regras extremamente abusivas, principalmente para pessoas jurídicas. 

Por se tratar de negociação diretamente com o gerente ou outro funcionário de um banco, as taxas podem variar de acordo com o contrato. Contudo, a média gira em torno de 8% ao mês – um preço altíssimo para qualquer consumidor brasileiro, independente se seja pessoa física ou pessoa jurídica. 

Cheque especial

Há também no mercado o temeroso cheque especial. Qualquer pessoa que possui uma conta corrente e cartão de crédito tem direito a retirar alguma quantia do banco através desse cartão e da margem que ele cede ao consumidor. 

Esse é o método com maiores juros do Brasil e com o menor prazo de pagamento de todo o mundo. Um empréstimo com esse formato de contratação é, em sombra de dúvidas, um erro fatal.

A taxa pode chegar até mesmo a 12% ao mês e ainda ser cobrado uma multa diária por atraso. O tempo para quitação do valor é de 45 dias, podendo deixar o seu nome sujo perante o Governo. Portanto, empresas e autônomos nunca devem recorrer a este tipo na hora de contratar um crédito. 

Empréstimo Home Equity

Por último, mas não menos importante, temos o home equity. Ele é conhecido no Brasil como crédito com garantia de imóvel e tem crescido exponencialmente devido às suas inúmeras vantagens para contratação.

Esse modelo era muito comum nos Estados Unidos e começou a migrar para outros países, inclusive para os localizados na América do Sul. Com esse aumento, as agências começaram a disputar e trazer ainda mais benefícios na hora de adquirir esse serviço.

O empréstimo para pessoa jurídica também é facilitado com o Home Equity, sendo através da documentação, valor, juros e prazo para pagamento. Ou seja, este é o método ideal para se contratar. 

Comentários estão fechados.