Quem não integra o Bolsa Família poderá receber o Auxílio Brasil?

Contemplados pelo Bolsa Família já serão automaticamente integrados no Auxílio Brasil, mas, e quem não faz parte deste grupo?

Diante da proximidade do encerramento do Auxílio Emergencial, aumentam as tensões referentes ao futuro social do país. Neste contexto, a atual gestão do país procura agilizar os trâmites necessários para viabilizar o Auxílio Brasil que vem para substituir o programa Bolsa Família. 

Conforme informações do Governo Federal, o Auxílio Brasil exigirá a inscrição no Cadastro Único (Cadúnico), com os dados presentes no sistema devidamente atualizado. Contudo, até então, a preferência para o novo programa é direcionada para aqueles que já integram o Bolsa Família. 

Esta questão torna-se preocupante à medida que uma boa parcela da população que recebe e precisa do amparo financeiro do  Auxílio Emergencial não integra o Bolsa Família. 

Ainda neste sentido, o governo já havia anunciado que a reestruturação do programa ganharia uma ampliação, de modo a incluir  2,4 milhões de novos beneficiários. Desta maneira, o Bolsa Família que hoje ampara 14,6 milhões de brasileiros, passaria a ter 17 milhões de contemplados. 

Contudo, ainda não se sabe se quando será aplicada este aumento de alcance do benefício. Neste sentido, não é certo se já haverá novos incluídos em novembro, começo do Auxílio Brasil, ou apenas em 2022. 

Benefício Transitório para o Auxílio Brasil

O plano do governo é aumentar o valor médio pago pelo Bolsa Família de R$ 191,00, para aproximadamente R$ 400,00. Contudo, esta quantia está prevista apenas para 2022. 

Isto porque, nos meses de novembro e dezembro será pago uma espécie de benefício transitório que será concedido a todos os contemplados pelo Auxílio Emergencial, atualmente, é o que diz o Ministério da Cidadania. 

O auxílio transitório deve ser pago no valor de R$ 250, de modo a deixar os R$ 400 pretendidos no pagamento do novo programa para o próximo ano. 

Comentários estão fechados.