Por mais dolorosas que sejam as consequências econômicas da Covid-19, os especialistas dizem que existem várias razões pelas quais a economia dos Estados Unidos pode recuperar-se mais rapidamente do que há pouco mais de uma década, quando ocorreu a recessão provocada pela chamada crise do subprime, desencadeada em 2007.

“A recessão atual tem uma causa biológica e uma solução biológica”, ressaltou, em live, Campbell Harvey, professor de finanças da Fuqua School of Business da Duke University. “O segredo, claro, é minimizar os danos à atual estrutura econômica. Se pudermos fazer isso, teremos uma recuperação acentuada. Não é uma recuperação lenta, na qual há muita incerteza”, afirma.

De acordo com o especialista, a chave para a recuperação é conseguir que pequenas empresas – como bares, restaurantes e empresas de varejo, além das milhares de companhias que fazem parte das cadeias de suprimentos – consigam sobreviver a esse período. Assim, quando o país voltar ao trabalho, essas empresas ainda estarão em pé e seus trabalhadores terão seus empregos, possibilitando a retomada econômica.

Harvey ainda destaca que isso depende não apenas de o governo fornecer financiamento de emergência, mas também de se aplicar o dinheiro rapidamente, o que não foi o caso dos Estados Unidos. As empresas que solicitam fundos no âmbito do Programa de Proteção de Pagamento no Small Business Administration relatam problemas técnicos generalizados, que as impedem de enviar suas aplicações. Os bancos dizem que recebem numerosas solicitações. Por isso, o processamento desses empréstimos levará tempo.

“Definitivamente, não é o que queremos. Essa é basicamente uma iniciativa executada pelos bancos, mas com a supervisão do Tesouro norte-americano e da Administração de Pequenas Empresas. Precisamos fazer um trabalho muito melhor para tornar isso o mais eficiente possível. Não podemos esperar seis meses para implantar esses empréstimos-ponte”, pondera o professor.

É importante que as pessoas entendam que, com a Lei CARES (que prevê 100 bilhões de dólares para grupos de assistência médica atenderem infectados pela Covid-19 que não têm seguro-saúde), o governo não está oferecendo um socorro às empresas, como fez durante a grande recessão. Nessa época, os bancos não estavam administrando seu risco e estavam com excesso de extensão e “agindo como fundos de hedge”. Contudo, a Covid-19 é essencialmente um desastre natural que impediu a operação de empresas de sucesso, e isso não é culpa delas, de acordo com Harvey.

O professor da Duke Fuqua comparou, ainda, o novo coronavírus à forma como a economia dos Estados Unidos reagiu à gripe espanhola em 1918. “Começou na primavera [de 1918] e diminuiu no verão. Ainda assim, no outono, vivemos tempos muito difíceis. E em 1919, as pessoas estavam se perguntando, isso vai voltar? Haverá outra onda? “, relembra Harvey.

O especialista salienta que havia muita incerteza, fator que atrasa a recuperação econômica. Porém, no caso do novo coronavírus, foram necessárias apenas algumas semanas para mapear o DNA do micro-organismo, e os cientistas iniciaram testes para inúmeras vacinas. Identificar e implantar uma vacina segura e eficaz geralmente leva até 18 meses, de acordo com Harvey, mas devemos esperar uma solução mais rápida, no início de 2021, dado que os riscos são altos.
“Existem outras iniciativas para mitigar os sintomas que devem estar disponíveis em breve”, disse Harvey. “E, de fato, quando a vacina é implantada, tudo fica essencialmente esclarecido. A incerteza está resolvida”, reforçou.

Para conferir a apresentação, basta acessar o link: http://www.fuqua.duke.edu/duke-fuqua-insights/cam-harvey-covid19-there-light-end-tunnel