A semana começa com a cidade de São Paulo superando o número de 320 mil casos confirmados do novo Coronavírus. Começa também com bares e restaurantes da capital reabrindo.

A decisão foi anunciada pela Prefeitura depois de atingir a fase amarela do Plano São Paulo para retomada gradativa das atividades econômicas.

De acordo com a Prefeitura, os últimos dados mostram que a taxa de ocupação dos leitos de UTI da rede municipal é de 55% e o índice permite maior flexibilidade das medidas de restrição.

O decreto permite que restaurantes, bares e similares funcionem durante 6 horas diárias, com fechamento agendado para às 17h (horário de Brasília) e com, no máximo, 40% da capacidade.

Além disso, determina obrigatoriedade do uso máscaras nos espaços em que será permitido consumo no local.

A decisão é amparada em uma série de regras que devem ser cumpridas e especialistas reiteram que nesta etapa é fundamental segui-las à risca para tentar evitar o avanço de casos e uma nova onda na capital paulistana.

De acordo com o médico Wilson Cunha Júnior, Gestor do Grupo Sabin, ao abrir as portas há considerações importantes sobre as maneiras corretas de proteger funcionários, clientes e comunidades para retardar a propagação da COVID-19.

“Bares, restaurantes podem atuar de forma muito positiva em conjunto com as autoridades de saúde.

Tudo vai depender da forma como serão implementadas as orientações e fazendo os ajustes necessários para atender às necessidades e circunstâncias da comunidade“, afirma o especialista.

Além disso, o médico reitera que a implantação dos protocolos de saúde é imprescindível e deve ser feita de acordo com o que é “possível, prático, para complementar significativamente com os regulamentos de saúde e segurança que os negócios devem seguir”, detalha o especialista.

O médico destaca que nesta etapa é importante atenção e cuidados redobrados nestes estabelecimentos para que esta etapa seja promissora e não proponha um retrocesso ao relaxamento.

“O ser humano necessita de interação, mas este é um momento delicado para contatos físicos. Agora, o mais importante é manter a rotina de cuidados para evitar riscos de disseminação do vírus e seguir regras de distanciamento social, seja em restaurantes, bares ou qualquer outro ambiente”, enfatiza o especialista, que pontua quatro dicas importantes a serem seguidas neste ‘novo normal’:

1.Se você puder, opte por estabelecimentos estilo drive thru. São mais seguros. Se não houver esta opção, tente escolher ambientes com capacidade de assento reduzida, com mesas que estejam espaçadas a pelo menos 6 pés de distância;

2.Fique atento ao local escolhido. O vírus se espalha principalmente por gotículas respiratórias liberadas quando as pessoas falam, tossem ou espirram. 

Então, observe os espaços e escolha ambientes seguros, que incentivem comportamentos que reduzam a disseminação da COVID-19 entre funcionários e clientes;

3.O vírus pode se espalhar para as mãos a partir de uma superfície contaminada e depois para o nariz ou a boca, causando infecção. 

Portanto, escolha lugares em que as práticas de higiene e prevenção pessoal, como lavar as mãos e álcool em gel, sejam de fácil acesso e observe se há rotinas de limpeza e desinfecção das mesas e utensílios;

4.As equipes de atendimento também devem estar protegidas e oferecer segurança. Por isso, fique atendo ao uso de máscaras de proteção dos profissionais.

Se não estiverem utilizando a proteção, o risco de contágio e iminente. Então, nada feito.

Por Dr. Wilson Cunha Júnior, médico