Receita bate recorde de autuações em 2017 – Em 2018, entra em cena o eSocial!

Foi divulgado nessa quinta-feira o resultado das fiscalizações da Receita Federal do Brasil (RFB) em 2017. As autuações bateram recorde ao somarem R$ 205 bilhões, um aumento de 68,5% se comparado a 2016 (R$ 122 bilhões).

De acordo com o relatório divulgado pela RFB, considerados apenas os procedimentos de fiscalização externa (sem incluir revisões de declarações), cinco tributos (IRPJ, CSLL, Cofins, IRRF e Contribuição Previdenciária Patronal) responderam por 87% do montante total arrecadado nessas autuações.

Em relação às pessoas jurídicas, as autuações concentraram-se no segmento industrial, com lançamentos que totalizaram R$ 107 bilhões. Já em relação às pessoas físicas, os números mais representativos referem-se a autuações a proprietários e dirigentes de empresas (R$ 7 bilhões).

Anúncios

Esses números expressivos demonstram que o Fisco está analisando de perto os procedimentos tributários adotados pelos contribuintes, sejam eles pessoas físicas ou jurídicas.

Para o ano de 2018, a expectiva de lançamentos da RFB é de R$ 149 bilhões, por meio de processos de fiscalização que priorizam a busca de indícios ilícitos praticados por pessoas juíridcas de grande porte e por pessoas físicas detentoras de elevado patrominio ou renda.

É possível dizer que um significativo percentual do valor preentendido pelo Fisco para o ano de 2018 será resultado de irregularidades identificadas por meio do eSocial, sistema de escrituração digital da folha de pagamentos e das demais obrigações acessórias relativas à contratação e utilização de mão de obra onerosa, com ou sem vínculo empregatício.

O eSocial surgiu com o objetivo de centralizar as obrigações acessórias trabalhistas e previdenciárias em um único documento e é considerado, até o momento, o instrumento mais complexo do Sistema Público de Escrituração Digital (SPED).

A nova obrigação acessória, que já é obrigatória para empregadores domésticos, passa também a ser obrigatória para todas empresas a partir de 2018.

De acordo com o calendário oficial divulgado pelo governo federal, para empresas com faturamento anual superior a R$ 78 milhões, serão devidas, entre 8 de janeiro e 28 de fevereiro de 2018, as informações cadastrais dos empregadores e as relativas às suas tabelas, tais como estabelecimentos, rubricas, cargos etc. A partir de março, será mandatório o envio das informações relativas aos trabalhadores e seus vínculos de emprego.

Para as demais empresas, o eSocial passa ser obrigatório a partir de julho de 2018.

Até lá, será possível realizar os ajustes necessários para atendimento à nova obrigação acessória.

Nossa equipe previdenciária vem realizando, com grande sucesso, diagnósticos de maturidade para atendimento ao eSocial em grandes e médias empresas dos mais diversos setores. O resultado desses diagnósticos vem demonstrando, em praticamente todas as oportunidades, que as empresas brasileiras não estão preparadas para atender à nova obrigação. Via de regra, as empresas se preocupam em obter as informações necessárias para preenchimento dos campos exigidos, sem se atentar adequadamente à qualidade da informação que será prestada ao Fisco.

Nesse cenário, identificamos constantemente equívocos tributários em virtude de enquadramento previdenciário incorreto, tributação incorreta de profissionais expatriados e de planos de opção de compra de ações (stock option plans) etc.

Sua empresa está preparada para o eSocial?

*Por André Souza, especialista em direito previdenciário da área tributária do SV Law

Comente no Facebook

Comentários

Facebook Comments Plugin Powered byVivacity Infotech Pvt. Ltd.

DEIXE UMA RESPOSTA

Coloque seu comentpario
Coloque o seu nome

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.