Recuperação de PIS/Cofins já está disponível para as empresas

Com a decisão do STF sobre a exclusão do ICMS da base de cálculo para apuração do PIS/Cofins, o contribuinte pode ter restituição dos valores recolhidos a maior desde 15 de março de 2017.

0

O número de empresas que buscam algum tipo de recuperação de impostos tem aumentado no Brasil.

Recentemente, com a decisão do Supremo Tribunal Federal (STF) em excluir o ICMS da base de cálculo para apuração do PIS e da Cofins, o cenário tornou-se ainda mais promissor ao contribuinte que tem nesta possibilidade de restituição uma alternativa para o equilíbrio/recuperação de suas contas.

A partir do julgamento dos ministros do STF ocorrido no último dia 13 de maio, já é possível pleitear a devolução de valores recolhidos a maior desde a data de 15 de março de 2017.

“Diante da pandemia e da situação financeira enfrentada por grande parte das empresas, o julgamento do STF é uma excelente notícia”, afirma Leandro Nagliate.

O advogado especializado em Direito Tributário ressalta que a partir da decisão, o pagamento indevido ou maior de PIS/Cofins poderá agora ser restituído sem nenhum risco.

Em março de 2017, ao concordarem com a tese da exclusão do ICMS da base de cálculo do PIS e da Cofins, no Recurso Extraordinário 574.706/PR, os ministros do STF entenderam que o imposto pertence ao Estado e não poderia ser considerado como receita da empresa.

Foi a partir desta decisão que os contribuintes passaram inclusive a defender a mesma tese nas aplicações de outros tributos, como ISS e PIS Cofins da própria base.

No entanto, a Advocacia-Geral da União (AGU) interpôs embargos de declaração para pedir a modulação da decisão, sob o argumento de que se produziria uma “nociva reforma tributária com efeitos retroativos”.

No último dia 13 de maio, no entanto, a ministra Cármen Lúcia, do STF, e os demais ministros votaram para que a tese de repercussão geral passasse a valer a partir de 15 de março de 2017, data do julgamento do mérito recurso.

Com o julgamento do STF, o Ministério da Economia estima perdas de até R$ 258,3 bilhões.

Designed by @pressfoto / freepik
Designed by @pressfoto / freepik

Por outro lado, os contribuintes observam que o não cumprimento da decisão representa um efeito catastrófico para o mercado, podendo impactar até mesmo nos preços das ações das empresas na Bolsa de Valores.

“Em muitos casos em que a empresa é tributada pelo Lucro Real ou pelo Lucro Presumido, a geração de crédito decorrente do pagamento indevido ou maior de PIS/Cofins serve inclusive para quitar débitos de quaisquer outros tributos federais”, observa Nagliate.

Segundo o especialista tributário, o valor destacado na nota fiscal emitida pela empresa é justamente o que deve ser retirado da base de cálculo.

Calculadora

Para auxiliar as empresas sobre quanto conseguiriam recuperar de PIS e Cofins, Leandro Nagliate disponibilizou uma calculadora para realizar eventuais simulações.

A ferramenta pode ser acessada em Nagliatemelo. A calculadora destaca o Lucro Presumido, com PIS/Cofins de 3,65%, e o Lucro Real, com 9,25%, com valores recuperados desde 15 de março de 2017.

O pedido de restituição ou compensação dos tributos é rápido e sem burocracia.

“O prazo de tramitação total do processo poderá ser de até 60 dias”, destaca Nagliate.

Dica Extra: Já imaginou aprender 10 anos de Prática Contábil em poucas semanas?

Conheça um dos programas mais completos do mercado que vai te ensinar tudo que um contador precisa saber no seu dia a dia contábil, como: Rotinas Fiscais, Abertura, Alteração e Encerramento de empresas, tudo sobre Imposto de Renda, MEIs, Simples Nacional, Lucro Presumido, enfim, TUDO que você precisa saber para se tornar um Profissional Contábil Qualificado.

Se você precisa de Prática Contábil, clique aqui e entenda como aprender tudo isso e se tornar um verdadeiro profissional contábil.