Recuperação Judicial atingiu o maior número de pedidos deste ano!

Para o especialista Douglas Duek, a RJ é uma medida muito viável para evitar o fechamento portas.

Agosto registrou números importantes relacionados à economia brasileira, o que teve impacto direto nas empresas das mais variadas áreas. O reflexo disso pode ser percebido no aumento dos pedidos de recuperação judicial, que registrou crescimento de 50% em agosto. Foram 111 solicitações no oitavo mês do ano, contra 74 em julho, segundo levantamento realizado pelo Serasa Experian.

Ainda de acordo com os dados, 43,2% dos pedidos foram feitos pelo setor de comércio, o maior número desde 2017. Micro e pequenas empresas também lideraram as requisições, totalizando 71% de todos os pedidos. Douglas Duek, CEO da Quist Investimentos, empresa que atua diretamente com recuperação judicial e reestruturação de empresas, afirma que muitos motivos podem ser apontados para explicar essa elevação. O mês de agosto registrou, por exemplo, o maior índice de inflação desde o ano 2000. “Isso gera insegurança, para além de questões políticas que também podem influenciar”, comenta Duek.

Isso resulta em uma reação em cadeia, desestabilizando as finanças do consumidor que, por sua vez, compra menos e direciona a renda para necessidades prioritárias. O CEO explica que “o comércio que, inclusive, liderou os pedidos, é o que mais sofre as consequências dessa cadeia. Alguns ainda não estavam ‘fortes’ o suficiente para enfrentar esse agravamento, em função das medidas restritivas anteriores”.

Os pedidos de falência, por outro lado, apresentaram queda de 0,5% em relação ao mês passado. Foram 95 requisições em agosto contra 100 realizadas em julho. O índice também atingiu as micro e pequenas empresas, que registraram 60 pedidos. As organizações de médio porte contaram com 19 solicitações e negócios de grande porte, 16. O setor de serviços liderou o ranking, com 60 pedidos.

Duek conta que a RJ é uma medida muito viável para evitar o fechamento das portas. Há 13 anos nesse mercado e à frente da Quist Investimentos, ele se empenha em desmistificar o que é recuperação judicial e seus processos. “Sempre orientamos nossos clientes com as melhores soluções, ideais para cada caso, mostrando que RJ não é um bicho de sete cabeças”, finaliza.

Comentários estão fechados.