Redes sociais podem causar danos à saúde mental e emocional. Entenda 

O uso não sadio das redes virtuais de socialização podem gerar sérios danos às nossas emoções e comportamentos. 

As novas tecnologias, vieram para facilitar a conexão entre pessoas, de modo que disponibilizaram ferramentas nas quais é possível estar em contato com indivíduos do outro lado do globo. No entanto, o uso constante das redes sociais tem gerado sérias consequências para os seus usuários, em especial, para crianças e adolescentes. 

Este assunto já vem sendo discutido a um tempo, todavia, a morte do adolescente Lucas Santos, que possuía apenas 16 anos, reacendeu este debate. Isto porque o filho da cantora Walkyria Santos, tirou a própria, devido a comentários cruéis e homofóbicos destinados a ele nas redes. Em desabafo a cantora afirmou, “a internet está doente”.  

Não é de hoje que situações como essa vem acontecendo em todo mundo, por diversas vezes encontramos em portais de notícias, pessoas que tomam decisões impulsivas devido às questões originadas dos meios de comunicação virtual. 

Assim sendo, é de suma importância vigiar a constância o modo de uso das redes sociais, por parte de pessoas de todas as faixas etárias. Em razão disso, neste artigo, será apresentado a fala de alguns especialistas a respeito do assunto e quais possíveis atitudes tomar frente a este cenário. 

Como as redes sociais podem causar danos à nossa saúde?  

Em entrevista ao portal Acorda Cidade, a psicóloga Lucília Navarro, explica um pouco a respeito do que leva a determinados comportamentos nas redes sociais e a cautela necessária ao se utilizar destes meios. Segundo ela, “o uso das redes sociais se torna um espaço de fala, e diante do fato da pessoa não precisar se identificar fica com a ‘fantasia’ de que é possível fazer as falas sem consequências”, explica. 

Sendo justamente aí que é preciso estar atento, porque tem outra pessoa que está sendo muitas vezes, como foi o caso do Lucas (filho da cantora Walkyria que morreu recentemente), atingida, recebendo as consequências, e essa pessoa não tem recursos emocionais para tal, o que pode acarretar consequências irreversíveis ou sequelas que atingem a vida da pessoa” diz a psicóloga. 

Lucília reforça, que adolescentes e crianças estão mais vulneráveis nestes casos, pois, não possuem o devido amadurecimento para lidar com essas questões, dado que estes ainda estão aprendendo a compreender e identificar suas emoções. Desta forma, a psicóloga alerta que não se deve trocar os recursos afetivos reais, pelos oferecidos virtualmente, visto que a devida atenção pessoal, fora das redes, é de suma importância para o amadurecimento emocional da pessoa em formação. 

Ademais, agora conforme o neurocientista Fabiano Abreu, o qual alerta sobre o possível vício que uso de redes sociais podem causar, devido ao sistema de recompensa natural de meios como Facebook, Twitter, Tik Tok e Instagram. 

O neurocientista explica, que o funcionamento destas redes citadas, acarretam a liberação de dopamina no nosso corpo, de modo que esta sensação leva um vício do usuário. 

“A rede social vai matar mais pessoas. Empresas como Facebook e Tik Tok sabem disso e continuam investindo em neurociência inadequadamente, para que as pessoas libertem cada vez mais dopamina que é viciante segurando assim o usuário”, alerta Fabiano. 

É preciso entender que a dopamina trata-se de um neurotransmissor cuja liberação gradual do organismo ocorre através da recompensa. Sendo assim, ferramentas como curtidas, comentários, e outros meios utilizados nas redes para identificar que aquele usuário está “sendo visto”, podem funcionar como recompensas viciantes. 

“As pessoas não estão levando a sério, pois também estão dependentes da rede social. Como um comboio que prefere não enxergar os danos que ela causa já que também se satisfaz com ela” acrescenta Fabiano.

Como lidar com este cenário? 

Vale ressaltar que não há uma fórmula exata para lidar com a carência de atenção, e outros problemas vividos por nós seres humanos. Contudo, limitar o uso das redes sociais, além de fornecer o devido cuidado e afetividade para aqueles que nos rodeiam, para que assim não seja necessário buscar estas sensações no meio virtual. 

Além disso, a busca pela consulta de um psicólogo é vantajosa, até porque, é de suma importância realizarmos a manutenção de nossa saúde mental assim como fazemos com o nosso corpo nos famosos “check ups”. Em resumo, é necessário prezarmos pela qualidade de nossas emoções e pensamentos, logo, o acompanhamento de um profissional, é essencial frente a um problema ou não.

Comentários estão fechados.