Reforma tributária terá que simplificar a cobrança de impostos

Impostos elevados inibem crescimento econômico, diz José Maurício Caldeira, da Asperbras.

0

“Todos os que já viveram essa situação sabem que muitas vezes o feijão com arroz pode não ser um banquete, mas é a diferença entre o ideal e o possível. Queremos sempre a maior reforma possível. Mas a melhor nem sempre é a maior, sabemos. A melhor será sempre a possível.”

Com essas palavras, o presidente da Câmara, Arthur Lira (PP-AL) deu a senha para o caminho que a reforma tributária deverá seguir: a reforma possível será apreciada em etapas, unificando inicialmente o PIS e a Cofins, dois tributos federais.

As discussões estão avançando na Câmara e no Senado.

Para o setor produtivo, é uma reforma essencial.

“Precisamos de uma reforma tributária que simplifique, desburocratize e dê racionalidade ao sistema”, defende José Maurício Caldeira, sócio-acionista do Grupo Asperbras.

Caldeira vocaliza uma das maiores demandas dos empresários que veem entraves ao crescimento do país em função da altíssima carga tributária brasileira.

Atualmente, a carga total chega a 33% do Produto Interno Bruto (PIB) – em países em desenvolvimento este percentual fica entre 20% e 25% do PIB.

A indústria de transformação é especialmente sacrificada. Neste segmento, que responde por 12% do PIB e arrecada 27% do bolo, a carga tributária alcança 45%.

A elevada tributação é um dos fatores que limitam o crescimento econômico do país, pois é o principal item a impactar o chamado Custo Brasil, avalia José Maurício Caldeira, que é a soma dos custos para se produzir no país que não existem em outros lugares do mundo.

São eles: tributação excessiva, burocracia para se pagar impostos, elevadas taxas de juros, altos custos de matérias-primas, escassa e cara infraestrutura, entre outros pontos.

Aqui, são tributados os investimentos, as exportações e convive-se com um emaranhado de normas inexistente em países que concorrem com o Brasil.

Além disso, o sistema tributário brasileiro é mais complexo. Segundo o Banco Mundial, no Brasil gasta-se em média 1.501 horas por ano só para pagar impostos.

Em países da América Latina e do Caribe, o tempo cai 317 horas por ano e entre os membros da Organização para Cooperação e Desenvolvimento Econômicos (OCDE), são apenas 158,8 horas por ano.

Para José Maurício Caldeira, é necessário remover as distorções existentes. “Precisamos restabelecer a competitividade da economia brasileira”, diz ele.

“Desta forma, iremos melhorar o ambiente de negócios e, consequentemente, promover o crescimento econômico e a geração de empregos”.

O relator da Comissão Mista da Reforma Tributária, deputado Aguinaldo Ribeiro (PP-PB), apresentou no início de maio seu relatório final.

O texto é fruto da análise de duas Propostas de Emenda à Constituição (PECs) em tramitação no Congresso (a PEC 45/2019, e PEC 110/2020) e também do projeto de lei 3.887/2020.

O relatório enviado às comissões técnicas da Câmara dos Deputados e do Senado prevê a criação de um Imposto sobre Bens e Serviços (IBS), eliminando cinco tributos: PIS, Cofins, IPI, ICMS e ISS.

Designed by @pressfoto / freepik
Designed by @pressfoto / freepik

Não seria uma substituição imediata, mas sim por etapas, em até seis anos, sendo que, nos dois primeiros anos, PIS e Cofins seriam unificados e o IBS criado.

Depois disso, porém, o governo e a cúpula do Congresso Nacional fecharam um acordo sobre o fatiamento da reforma tributária.

Foi definido que os senadores ficarão responsáveis por analisar uma PEC que tratará da unificação do ICMS e ISS, num imposto sobre valor agregado (IVA), e o novo Refis.

Já a Câmara dos Deputados irá analisar apenas a unificação do PIS e da Cofins numa única contribuição ou imposto, além de mudanças no Imposto de Renda e no IPI.

Asperbras

A Asperbras, dos irmãos Francisco e José Roberto Colnaghi, começou sua história com o talento e a perseverança do pai Francisco Colnaghi que, em 1966, ao fundar uma empresa de implementos agrícolas em Penápolis, cidade do interior de São Paulo, deu a largada para o desenvolvimento de um grupo empresarial baseado no compromisso com a qualidade, dedicação em tempo integral e responsabilidade na prestação de serviços.

Menos de vinte anos depois, a empresa já era reconhecida em todo o Brasil com a estratégia de investir na fabricação de tubos e conexões de PVC para irrigação agrícola, e de lá para os dias de hoje, a Asperbras se transformou em um dos mais importantes grupos empresariais brasileiros.

Hoje, a Asperbras é reconhecida também por atuar nas áreas de engenharia industrial, gerenciamento e montagem de projetos industriais em diversos segmentos, na construção e incorporação imobiliária, e nos setores de alimentos, agronegócio, mineração e geração de energia.

O Grupo mantém suas estruturas societárias nacionais e internacionais desvinculadas e independentes, atuando em quase todo Brasil e em três continentes, África, Europa e América do Sul.

São mais de três mil profissionais que trabalham em programas, projetos e obras nos principais segmentos da economia mundial.

Para o atendimento dos projetos de adução de água e esgoto no Norte e Nordeste, a Asperbras tem duas plantas industriais, sendo uma na Bahia e outra no Rio Grande do Norte.

Nos estados de São Paulo, Mato Grosso e Mato Grosso do Sul atua no segmento de Agronegócio.

Dica Extra: Já imaginou aprender 10 anos de Prática Contábil em poucas semanas?

Conheça um dos programas mais completos do mercado que vai te ensinar tudo que um contador precisa saber no seu dia a dia contábil, como: Rotinas Fiscais, Abertura, Alteração e Encerramento de empresas, tudo sobre Imposto de Renda, MEIs, Simples Nacional, Lucro Presumido, enfim, TUDO que você precisa saber para se tornar um Profissional Contábil Qualificado.

Se você precisa de Prática Contábil, clique aqui e entenda como aprender tudo isso e se tornar um verdadeiro profissional contábil.