No intuito de estar em dia com a legislação brasileira e evitar problemas fiscais no futuro, é importante que o empresário tenha conhecimento sobre os impostos devidos por ele mediante o nicho da empresa e regime tributário adotado. 

Abrir uma empresa no Brasil é um processo desgastante, burocrático e caro, na maioria dos casos, destacando a fama do país em possuir o pior regime tributário do mundo, especialmente se comparado com países como a Nova Zelândia, Dinamarca, Cingapura e Estados Unidos.

Neste sentido, um relatório anual realizado pelo Banco Mundial apontou que, a burocracia atribuída ao pagamento de impostos consome, em média, 1.501 horas por ano de cada empresa brasileira. 

Entretanto, a complexidade envolvida em todo o processo, pode confundir o empreendedor a executar as contribuições tributárias, o que pode tomar ainda mais tempo do que o previsto.

Pensando nisso, confira cada atribuição detalhada e separadamente.

Modalidades empresariais e impostos devidos

MEI

A Microempresa Individual (MEI) é uma excelente opção para obter o primeiro Cadastro Nacional de Pessoa Jurídica (CNPJ), tendo em vista a facilidade e agilidade no processo de abertura que é inteiramente virtual.

A proposta é focada em possibilitar a emissão de notas fiscais no formato de pessoa jurídica, desde que o microempreendedor individual apresente uma renda bruta anual máxima de, R$ 81 mil, além de poder contratar somente um funcionário. 

A vantagem do MEI fica por conta do Documento de Arrecadação do Simples Nacional (DAS), que permite o pagamento reduzido da carga tributária, além de unificar todos os impostos devidos por esta modalidade em uma só guia.

São eles: 

  • INSS (Instituto Nacional do Seguro Social);
  • ICMS (Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços);
  • ISS (Imposto sobre Serviços).

ME

Apesar de não ter uma natureza jurídica propriamente dita, a Microempresa (ME), possui porte empresarial.

A escolha por esta modalidade acontece, normalmente, devido ao não enquadramento no MEI, seja pelo faturamento superior, necessidade de contratar mais colaboradores, ou, pela atividade exercida não ser permitida pelo MEI. 

A ME está apta a se integrar a quatro diferentes naturezas jurídicas, como a EIRELI e a Sociedade Limitada.

Entretanto, esta opção estabelece um limite de faturamento bruto de R$ 360 mil ao ano, permitindo a colaboração de sócios, além da contratação de nove a 19 funcionários, dependendo do segmento empresarial. 

No total, podem ser atribuídos oito impostos em cada tipo de microempresa, como:

  • Imposto de Renda Pessoa Jurídica (IRPJ);
  • Imposto Sobre Serviços (ISS);
  • Contribuição Social sobre o Lucro Líquido (CSLL);
  • Contribuição para o Financiamento da Seguridade Social (Cofins);
  • Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS);
  • Programa de Integração Social (PIS) e Programa de Formação do Patrimônio do Servidor Público (Pasep);
  • Imposto sobre Produtos Industrializados (IPI) – apenas para empresas do segmento da indústria;
  • Contribuição Previdenciária Patronal (CPP).
Impostos devidos por cada tipo de empresa

EIRELI

A Empresa Individual de Responsabilidade Limitada (EIRELI), atua perante um formato societário diferente da sociedade padrão.

Isso porque, não exige a participação de outros sócios, apesar de permitir.

Portanto o proprietário pode ser o único gestor da empresa, bastando apenas investir um capital social de, pelo menos, 100 salários mínimos vigentes para concluir a abertura da EIRELI. 

Ainda que pareça um aspecto negativo, é justamente essa medida que possibilita a distinção dos patrimônios pessoal e empresarial, além de proteger um em caso de dívidas atribuídas a outro.

A EIRELI possui a mesma contribuição tributária da ME, caso seja optante pelo regime do Simples Nacional.

Cabe destacar que esta modalidade também permite a adesão ao Lucro Presumido ou Real, devido ao limite de faturamento.

Contudo, na alternativa de Lucro Presumido, é preciso que o faturamento bruto anual seja de R$ 78 milhões, no máximo.

Os tributos para as empresas adeptas a este regime são, o Imposto de Renda de Pessoa Jurídica (IRPJ) e a Contribuição Social sobre o Lucro Líquido (CSLL), ambos calculados pela Receita Federal mediante o lucro da empresa. 

Em contrapartida, no Lucro Real, o faturamento bruto anual deve ser superior a R$ 78 milhões, além de contribuir com os mesmos impostos devidos no Lucro Presumido.

A diferença, neste caso, é que o cálculo não será feito sobre o lucro, mas sim, sobre o faturamento total da empresa.

Em outras palavras, o lucro líquido. 

Sociedade Limitada

Mais conhecida por Ltda., esta modalidade é a mais adotada por alguns empresários, tendo em vista a possibilidade de participação de demais sócios, além de toda a responsabilidade estar limitada perante o capital da empresa, protegendo os bens pessoais em caso de dívidas empresariais.

Outra vantagem corresponde ao Contrato Social estabelecido entre cada sócio, responsável por determinar e organizar as responsabilidades operacionais e financeiras de cada um. 

O documento também permite a entrada e saída de um sócio a qualquer momento, bastando apenas que os demais compram ou vendam as respectivas ações.

Os impostos devidos pela Sociedade Limitada, são os mesmos da EIRELI, possibilitando a troca de regime tributário do Simples Nacional para o Lucro Presumido ou Real, se desejar, desde que se enquadre no requisito do faturamento bruto anual.

SLU

A Sociedade Limitada Unipessoal se trata da alternativa mais recente no país, que entrou em vigor apenas em 2019.

Sua criação aconteceu diante do objetivo de facilitar a vida do empreendedor, além de intencionar promover mais liberdade econômica e melhorar os aspectos burocráticos, especialmente o de abertura. 

A SLU é similar à Ltda. e à EIRELI, unindo apenas as vantagens de ambas.

Um bom exemplo fica por conta da não obrigatoriedade sobre a participação dos sócios, além do que, os patrimônios pessoais e empresariais também serão separados e protegidos em caso do surgimento de dívidas, mas, sem a necessidade de investir um alto capital social.

Os tributos incidentes sobre cada empresa adepta à SLU, são os mesmos da EIRELI e da Ltda. e, também há a possibilidade de alternar entre os outros regimes tributários, desde que respeitem o limite de faturamento através do Simples Nacional que é de R$ 4,8 milhões. 

Dica Extra: Já imaginou aprender 10 anos de Prática Contábil em poucas semanas?

Conheça um dos programas mais completos do mercado que vai te ensinar tudo que um contador precisa saber no seu dia a dia contábil, como: Rotinas Fiscais, Abertura, Alteração e Encerramento de empresas, tudo sobre Imposto de Renda, MEIs, Simples Nacional, Lucro Presumido, enfim, TUDO que você precisa saber para se tornar um Profissional Contábil Qualificado.

Se você precisa de Prática Contábil, clique aqui e entenda como aprender tudo isso e se tornar um verdadeiro profissional contábil.

Por Laura Alvarenga