Tanto o (Microempreendedores Individuais), quanto o são formas de regularizar seu negócio. No entanto, os dois modelos possuem regras específicas que permitem que alguns perfis de negócio se encaixem em um ou outro formato.

Neste artigo, listamos as principais regras do e do e as diferenças entre os dois modelos. Confira a seguir as especificações de cada um e veja qual se adapta melhor ao seu negócio:

1)

Uma das principais diferenças entre o e o e que pode ser um impeditivo para alguns se classificarem como s é o limite de anual.

Para , o limite de por ano é de R$ 81 mil, uma média de R$6.750,00 por mês.

Já as empresas enquadradas no podem faturar um valor anual na casa dos milhões. Sendo que elas podem se dividir da seguinte forma:

  • Microempresas (ME) – podem faturar até R$ 360 mil por ano, uma média de R$ 30 mil de receita por mês
  • Empresas de Pequeno Porte (EPPs) – podem faturar até R$ 4,8 milhões por ano, uma média de R$ 400 mil de receita por mês.

2) Tipos de

Os também são diferentes para o e para as empresas enquadradas no , sendo que recaem menos pagamentos para quem é microempreendedor individual – 3 – enquanto as micro e pequenas empresas devem pagar 8 ao todo. Estes são:

 

  • Instituto Nacional de Seguridade Social (INSS);
  • Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS); 
  • Imposto sobre Circulação de Serviços de Qualquer Natureza (ISS);

 

  • Imposto sobre a Renda da Pessoa Jurídica (IRPJ);
  • Imposto sobre Produtos Industrializados (IPI);
  • Contribuição Social sobre o Lucro Líquido (CSLL);
  • Contribuição para o Financiamento da Seguridade Social (Cofins);
  • Contribuição para o PIS/Pasep;
  • Contribuição Patronal Previdenciária (CPP);
  • Imposto sobre Operações Relativas à Circulação de Mercadorias e Sobre Prestações de Serviços de Transporte Interestadual e Intermunicipal e de Comunicação (ICMS);
  • Imposto sobre Serviços de Qualquer Natureza (ISS).

Um ponto importante é que nos dois casos: s e no , o pagamento é desburocratizado, de forma que é possível fazer o pagamento de todos os de segmento em que você se enquadra de uma só vez.

3) : contribuição mensal x alíquotas

No caso dos s, o recolhimento de é feito a partir do pagamento de uma guia mensal, com valores fixos, conforme o segmento em que sua empresa atua:

  • Comércio e Indústria – R$50,90
  • Serviços – R$ 54,90
  • Comércio e serviços – R$ 55,90

Já no caso do , será preciso pagar uma alíquota sobre o valor que sua empresa fatura, o que pode variar entre 4% – empresas do comércio e que faturam até R$ 180.000,00 – e 33% – empresas de serviços como agências de viagens, limpeza, manutenção, entre outras. e que faturam entre 3.600.000,01 a R$ 4.800.000,00.

4) Sociedade

s não podem ter sócios, nem no CNPJ e nem em outra empresa. O que ele pode ter é até um funcionário que receba remuneração de um salário mínimo ou o piso salarial da categoria.

Já o permite ter sócio. É possível até mesmo ser sócio de outro CNPJ com fins lucrativos ao mesmo tempo, desde que a receita bruta das duas empresas não ultrapasse o limite de R$ 4.800.000,00 anuais.

Em relação ao número de funcionários, as empresas do podem fazer quantas contratações necessitar.

5) Atividades permitidas

Nem todas as atividades de trabalho (CNAEs) são permitidas para o .  Por isso, é preciso checar se a função que você deseja exercer é aceita nessa modalidade de negócio. No Portal do Empreendedor é preciso r a lista completa de atividades que o pode exercer.

O CNAE para o possui atividades associadas, mas ainda assim é preciso entender se a atividade desejada se enquadra ou não nesse formato. Para descobrir isso, basta acessar o site do IBGE e clicar na aba Estrutura, na parte inferior direita, ao lado de atividades. Será preciso clicar nas divisões para encontrar as atividades correspondentes ao ramo de atuação de sua empresa.

De olho nestes pontos, fica mais fácil  optar pelos modelos , ME ou EPP para sua empresa. Ah, e vale lembrar que mesmo que você inicie como um microempreendedor individual, poderá alterar o enquadramento de sua empresa para o na hora que ela crescer e estiver passando do limite do

DICA EXTRA: O priro passo para contadores

Atenção você contador ou estudante de contabilidade, o trabalho para seguir com sucesso na carreira profissional é árduo, inúmeros são os desafios que vamos precisar superar nessa jornada. Mas tenha em mente que o conhecimento é o maior bem que você pode ter para conseguir qualquer que seja os seus objetivos. Exatamente por isso apresentamos para você o curso CONTADOR PROFISSIONAL NA PRÁTICA, o curso é sem enrolação, totalmente prático, você vai aprender todos os processos que um contador experiente precisa saber.

Aprenda como abrir, alterar e encerrar empresas, além da parte fiscal de empresas do , Lucro Presumido e s. Tenha todo o conhecimento sobre Contabilidade, Imposto de Renda, SPED e muito mais. Está é uma ótima opção para quem deseja ter todo o conhecimento que um bom contador precisa ter, quer saber mais? Então clique aqui e não perca esta oportunidade que com certeza vai transformar sua carreira profissional!



Conteúdo original https://blog.b2wmarketplace.com.br/2020/01/06/simples-nacional-e-mei/