A Nota Fiscal eletrônica (NFe) é um documento de existência apenas digital no formato de arquivo XML, emitido e armazenado eletronicamente, com o intuito de documentar uma operação de circulação de mercadorias. No caso da Nota Fiscal de Serviço (NFSe), o documento é utilizado para documentar uma prestação de serviços.

O Conhecimento de Transporte Eletrônico (CTe), também existente apenas digitalmente no formato de arquivo XML, é utilizado para prestação de serviços de transporte.

Além do formato digital, todos esses documentos têm um grande potencial em comum: a rica fonte de informação. Isso ocorre porque, nos campos das notas fiscais, é possível obter informações como o valor ICMS sobre cada produto, alíquotas e o código CFOP.

E como isso pode ajudar a minha empresa ou escritório contábil? Veja abaixo.

Para quê serve um Relatório de NFe?

Se você tem toda a informação dos campos da sua NFe centralizados é possível extrair muitas informações e fazer o Business Intelligence interno, vindo diretamente da sua equipe fiscal e tributária.  É importante lembrar que, esse departamento dita como está a saúde fiscal da empresa e auxilia na área financeira, com redução de custos e insights a partir do tratamento dos dados.

Com uma simples planilha em Excel é possível destrinchar as informações das notas e saber: qual o valor total das tributações, produtos, etc. Já havia parado pra pensar nisso?

Distribuindo essas informações em uma linha do tempo é possível entender como os preços por unidade, litro ou peso estão variando ao longo dos meses do ano. A mensuração fica mais fácil.

Muitas vezes a equipe contábil não tem incentivo para investigar melhorias e nem investimento para ferramentas de automação de emissão, consulta e armazenamento de NFes, apesar disso ser muito importante para que a entrega de obrigações seja mais ágil.

1. Relatório de NFes recebidas e emitidas

Se você tem uma plataforma de consulta e armazenamento de documentos fiscais que pense no crescimento da sua empresa, conseguirá centralizar as informações das NFes emitidas e de todas as notas emitidas contra o CNPJ da empresa.

Com esses dados é possível filtrar as NFes recebidas e emitidas e avaliar o giro de estoque, ou seja, quanto de determinado produto você está comprando e o quanto tem vendido, assim como avaliar a margem de lucro dessa relação de compra e venda.

Se você é um analista fiscal e quer entregar valor ao seu trabalho, ofereça soluções funcionais e mostre como isso pode afetar positivamente no desempenho de todos da equipe.

Através da ideia desse primeiro relatório, ainda é possível avaliar se comprar certa quantidade de algum produto está sendo vantajoso para a empresa e assim reavaliar o contrato com o fornecedor.

2. Relatório de NFes transportadas

Nas NFes transportadas você pode levantar os custos que tem com transporte separando por produtos ou categorias de produtos que mais demandam transporte. Além disso ainda pode separar as mercadorias transportadas por fornecedor de transporte para entender quais você mais usa, por custo e por volume de entregas.

Analisando o Documento Auxiliar de Conhecimento de Transporte eletrônico (DACTe) é possível saber quantas e quais NFes foram carregadas naquele frete e também conversar com a transportadora para uma possível revisão de contrato, mostrando com provas concretas que isso favorecerá ambos os lados.

3. Relatórios de NFSes

As NFSes recebidas podem indicar para sua empresa se existe alguma área da empresa que está queimando orçamento com serviços caros e recorrentes.

Estudando as NFSes emitidas, você pode fazer uma curva ABC para entender quais são os serviços prestados mais recorrentes e quais trazem mais receita e lucro para a empresa para ajudar a priorizar o esforço de Marketing para gerar ainda mais demanda para esses serviços.

Via Arquivei parceiro Jornal Contábil

LEAVE A REPLY

Please enter your comment!
Please enter your name here

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.