Há alguns meses o governo vem estudando como irá implantar o Renda Brasil. O que está nos planos do Planalto, é fazer do novo programa um substituto do Bolsa Família e também do auxílio emergencial. O governo quer pagar algo em torno de R$ 200 e R$ 300 a partir de 2021.

Há um desejo do Governo Federal de criar uma plataforma digital para os programas sociais, o que incluiria o Renda Brasil.

Segundo o Correio Braziliense, o auxílio emergencial abriu portas para que fossem digitalizados e inclusos milhões de brasileiros de baixa renda na base de dados. Sendo assim, o novo programa do governo poderá ser acessado por meio de app em dispositivos móveis.

O que o governo quer é que o aplicativo mostre os benefícios do Renda Brasil e de outros programas, como o seguro-desemprego, Bolsa Família, auxílio defeso e programas de microcrédito e capacitação profissional.

O microcrédito e a capacitação profissional está na mira do governo para oferecer aos informais após a onda da pandemia.

Parece que o aplicativo do Renda Brasil será uma carteira, como o Mercado Pago (mas de programas sociais). O cidadão terá o direito de escolher e acessar a política pública que mais vai se adequar a sua real situação.

Claro, que o aplicativo deverá se chamar Renda Brasil (recebendo o maior foco), conforme o Correio Braziliense apurou de uma fonte.

Por outro lado, o presidente Jair Bolsonaro deseja vincular seu nome à rede de assistência social, fazendo que o povo esqueça o Bolsa Família, criado no Governo do PT, fazendo que o Bolsa Família não seja mais o principal programa de transferência de renda.

Edição por Jorge Roberto Wrigt Cunha – jornalista do Jornal Contábil