Saiba como funciona demonstração de Fluxo de Caixa

0

A demonstração de fluxo de caixa é uma ferramenta de gestão financeira eficiente, além de ser uma obrigatoriedade prevista pela Lei n° 11.638/2007, esta demonstração trata-se do controle de entradas e saídas das empresas ao longo de um certo período e dos resultados desse fluxo.

E por fornecer informações tão importantes sobre o caixa do negócio, é usada por muitos como fundamento para a tomada de decisões e, assim conquistar o sucesso.

Continue lendo a nossa matéria para entender um pouco mais sobre a demonstração de fluxo de caixa. 

Como é feita a apresentação do fluxo de caixa? 

O fluxo de caixa pode ser representado de duas maneiras:

  • Método direito;
  • Método indireto. 

O que é método direto? 

É através deste formato que é exposto todos os pagamentos e recebimentos originários das atividade operacionais da organização, e são apontados os seguintes aspectos relativos às operações: 

  • Recebimento de clientes;
  • Pagamento de colaboradores e fornecedores; 
  • Juros e dividendos recebidos; 
  • Imposto de renda pago;
  • juros pagos;
  • demais recebimentos e pagamentos. 

Método indireto 

Este método se caracteriza por demonstrações de recursos advindos de atividades operacionais a partir do lucro líquido, ajustados pelos fatores que influenciam no resultado, porém não alteram o caixa da empresa.

Itens essenciais da demonstração de fluxo de caixa

Esta documentação são separadas por três atividades:

  • Operacionais;
  • Investimento;
  • Financiamento.

Vejamos: 

Atividades operacionais 

Englobam gastos e despesas ligados à atividades que geram receita para o negócio, como: 

  • Impostos;
  • Contas a pagar e receber;
  • Recebimento de clientes;
  • Pagamento aos fornecedores e demais.

Estes são relacionados às principais atividades da instituição e por isso tem o capital circulante líquido. 

Sendo assim o cálculo ocorre por meio do valor usado para produzir e vender o produto ou serviços subtraídos da quantia recebida por eles.

Na maioria das vezes, estão ligados diretamente ao ativo e passivo circulante do balanço patrimonial. 

Atividades de investimento 

Esses são investimentos a longo prazo, veja um exemplo: 

  • Aplicações financeiras;
  • Compra de imóveis; 
  • Recebimento de valores;
  • Veículos. 

Eles são considerados investimentos a longo prazo por se tratar de uma atividade adquirida com a intenção de venda rápida e por isso estão ligados ao ativo não circulante do balanço patrimonial. 

Atividades de financiamento 

Essas atividades correspondem ao passivo circulante e não circulante reunido ao patrimônio líquido, já o passivo está relacionados a essas atividades: empréstimos e financiamentos. 

Já no patrimônio líquido estão as novas entradas (investimentos de novos sócios) e as saídas, como a divisão de lucros.

De que forma os resultados são analisados e como é a estrutura da demonstração do fluxo de caixa?

Este resultado é atingido por  meio da soma de todos os resultados líquidos de cada grupo de atividade.

Para isso é preciso igualar a diferença dos saldos do começo e fim do período avaliado.

Atividades operacionais

(+) recebimento de venda de produtos e serviços

(-) pagamento de impostos sobre o faturamento

(-) pagamento de fornecedores

(-) pagamento de salário dos funcionários

(-) pagamento de impostos

(-) pagamento de custos indiretos

(-) pagamento de juros

(-) pagamento de despesas operacionais

(=) subtotal

Atividades de investimento

(+) recebimento da venda de ativos imobilizados

(-) pagamento da compra de ativos imobilizados

(=) subtotal

Atividades de financiamento

(+) captação de empréstimos

(+) aportes de capital

(-) amortização de empréstimos

(-) reduções de capital

(-) pagamento de dividendos

Dica Extra: Já imaginou aprender 10 anos de Prática Contábil em poucas semanas?

Conheça um dos programas mais completos do mercado que vai te ensinar tudo que um contador precisa saber no seu dia a dia contábil, como: Rotinas Fiscais, Abertura, Alteração e Encerramento de empresas, tudo sobre Imposto de Renda, MEIs, Simples Nacional, Lucro Presumido, enfim, TUDO que você precisa saber para se tornar um Profissional Contábil Qualificado.

Se você precisa de Prática Contábil, clique aqui e entenda como aprender tudo isso e se tornar um verdadeiro profissional contábil.

Por Laís Oliveira